Vencer a crise demanda trabalho e fé

Fonte: Jornal A Tribuna Regional, de Santo Ângelo/RS, edição de 15 e 16 de novembro de 2008. | Atualizado em março de 2019.

Jesus, em Seu Evangelho, consoante Lucas, 4:4, recordando o Deuteronômio de Moisés, adverte: “Nem só de pão vive o homem, mas de toda a palavra de Deus”. Igualmente ocorre na Economia. Contudo, quantos dão a merecida importância ao ensinamento? A não ser quando a dor bate.

Por oportuno, reporto-me ao que proferi durante Prece ao Divino Estratego, em janeiro de 1991:

Grandes nações avantajaram-se nas horas de embate; os mais destacados caracteres revelaram-se nas ocasiões tempestuosas. A crise é o teste da inteligência. A luta instiga o nosso valor. Por que temer os desafios? É a maneira escolhida por Deus para premiar a nossa capacidade. E qualquer vitória no campo espiritual e físico exige sacrifício.

Um fato singular é digno de apontamento: Jesus sobrepujou a dolorosa crise da crucificação! Quando julgaram havê-Lo morto, ao erguer o Seu corpo dorido para escárnio da multidão em suspense, foi então que O glorificaram, colocando-O acima da craveira comum. E todos os povos, perante a História, puderam contemplá-Lo. Depois, houve a magnífica Ressurreição...

Tela: Caravaggio (1571-1610)

Título da obra: A Ceia em Emaús.

Como exclamou o Irmão Flexa Dourada (Espírito), pela psicofonia do sensitivo cristão do Novo Mandamento Chico Periotto, durante manifestação espiritual no Rio Grande do Sul: “Feliz de quem suporta a prova com resignação, mas suporta mesmo! Para os Céus, é isso que importa!”

E foi assim que Jesus fez: suplantou o martírio da crucificação! Em seguida, como fênix, ressurgiu vitorioso das cinzas da morte, razão por que Deus Lhe confirmou o Poder.

Você não entende bem o Poder de Jesus?!

Vamos, então, continuar a analisá-lo juntos.

Valorizar o Capital de Deus

O exemplo de fé do Divino Mestre inspira-nos coragem, tendo em vista o panorama planetário, que suscita vigorosa criatividade para superar os óbices que pelo caminho aparecerem, mormente os econômico-financeiros. É inadiável valorizar o Capital de Deus, ou seja, a criatura humana e seu Espírito Eterno, molas propulsoras do progresso, o cerne da economia altruística, segundo escrevi, em 1987, na Folha de S.Paulo.

O social vem pelo espiritual

E retorno a um ponto que considero indispensável termos sempre em pauta: a reforma do social vem pelo espiritual. Em 1983, no Programa Boa Vontade, exibido na época pela Band, fiz este comentário:

Muita gente pensa que Jesus seja uma ficção religiosa ou uma figura apenas a ser lembrada nos respeitáveis cultos das devoções cristãs. Todavia, vamos além. Estamos convictos de que o Sublime Taumaturgo deva ser constantemente perquirido, porque, em Suas prédicas, encontramos não só o lenitivo, mas a resposta para as indagações que nos afligem. É Ele quem diz: “Minha Paz vos deixo, minha Paz vos dou. Eu não vos dou a paz do mundo. Eu vos dou a Paz de Deus, que o mundo não vos pode dar. Não se turbe o vosso coração nem se arreceie, pois estarei convosco, todos os dias, até ao fim do mundo”.

Tela: Gaston La Touche (1854-1913)

Detalhe da obra: A Santa Ceia.

Trata-se de uma promessa e tanto, sobre a qual precisamos meditar, pois há bastante que aprender com Ele.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.