A Missão do TBV é Ciência Espiritual

A Ciência (cérebro, mente), iluminada pelo Amor (Religião, coração fraterno), eleva o ser humano à conquista da Verdade.

Fonte: Revista JESUS ESTÁ CHEGANDO!, edição 152, de outubro de 2021.

A cada novo dia, a Ciência tem dado passos mais consistentes no território do Espírito. Os fenômenos que já não mais se enquadram nos modelos comuns de pesquisa saltam à atenção daqueles comprometidos em vencer tabus e preconceitos para descortinar as verdades do Universo em que habitamos. Apenas considerar que tudo possa ser explicado por meio da ótica materialista demonstra-se insuficiente.

Abrir os olhos da humanidade para as realidades situadas além do terreno das quatro dimensões espaço-temporal e dos cinco sentidos humanos tem sido tarefa das Instituições da Boa Vontade (IBVs), desde os seus primórdios, na década de 1940, iluminando o saber terrestre com o Evangelho-Apocalipse de Jesus. O saudoso Irmão Alziro Zarur (1914-1979), Proclamador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, imaginou um local em que o conhecimento espiritual-humano pudesse guiar os destinos dos povos; um lugar sagrado em que pessoas de diferentes origens, pensamentos, crenças, descrenças, ciências e filosofias fossem bem-recebidas, respeitadas e conseguissem se reunir para orar, meditar e dialogar fraternalmente sobre as profundas questões da vida. Paiva Netto, principal assessor por quase um quarto de século e sucessor de Zarur, cumpriu esse sonho, idealizando, construindo e fundando, a 21 de outubro de 1989, o Templo da Boa Vontade (TBV), em Brasília/DF, Brasil. Cinco anos depois, no Natal de Jesus de 1994, ainda inaugura, ao lado do TBV, o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi da LBV, com a avançadíssima missão de promover “a conciliação universal de todo o conhecimento espiritual e humano numa poderosa força a serviço dos povos”, no dizer de seu idealizador. O “Parlamento dos Espíritos”, como noticiou a imprensa brasileira, é a casa do Fórum Mundial Espírito e Ciência, da LBV, unindo, há décadas, “Ciência e Fé na trilha do equilíbrio”. Neste ano de 2021, em edição on-line, o tema a ser debatido será: “Vida e morte em diálogo” (ForumEspiritoeCiencia.org/inscricao).

No mês em que esse monumento erguido pela Boa Vontade de mulheres e homens completa 32 anos, dando sequência à série “Diário de um Cristão do Novo Mandamento de Jesus”, apresentamos circular escrita por Paiva Netto em 21 de maio de 1998, dedicada a expandir as concepções acerca do papel espiritual-científico da abrangente missão do Templo do Ecumenismo Divino, que surgiu para inaugurar uma nova era de convivência harmoniosa entre as populações do mundo — aquelas que habitam a Terra e o Céu da Terra. Vamos conhecer mais sobre a Pirâmide das Almas Benditas, a Pirâmide dos Espíritos Luminosos, cujas Sete Faces revelam Deus.

Boa leitura!

Os editores

Rio de Janeiro/RJ, Brasil, 21/5/1998 (quinta-feira)

Minhas Irmãs e meus Amigos, minhas Amigas e meus Irmãos, que se reúnem nas Igrejas Ecumênicas da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, do Brasil e do mundo,

Deus Está Presente!

Jesus Está Chegando!

Endereço a todos, para análises e debates, circular em que apresento o tema “Espírito e Ciência”. Trata-se da Revolução Mundial dos Espíritos de Luz, a Revolução Intelectual dos Espíritos de Deus em marcha, na Quarta Revelação!

Meditando sobre muitos assuntos a respeito dos quais lhes tenho escrito todos esses anos, que evocam a Doutrina Sagrada da Religião do Terceiro Milênio, trago-lhes algumas considerações pertinentes. A civilização necessita das incomensuráveis qualidades da Ciência, mas não deve abrir mão de Deus. É imprescindível unir duas grandes irmãs: Ciência e Religião.

Não foi sem propósito que recomendou o Profeta Isaías, 55:3 e 6: “Inclinai os vossos ouvidos e vinde a mim; ouvi, e a vossa Alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua (...) Buscai o Senhor enquanto se pode achar, invocai-O enquanto está perto”.

Inclinar os ouvidos e buscar o Senhor é mais que aumentar o Conhecimento. É sublimá-lo com a Divina Claridade.

Henry Ford (1863-1947) ensinava que “A Boa Vontade é a maior força da vida”.

Ora, a Boa Vontade de Deus, infinitamente superior à Boa Vontade dos seres humanos, coloca a humanidade às portas de uma etapa inteiramente nova, reformando o curso da História. Pela Religião, como sublime sinônimo de Fraternidade Ecumênica, a Boa Vontade Divina puxa o fio das transformações contemporâneas, lançando às mentes científicas um desafio solene.

Paul Davies, professor de Física Teórica da Arizona State University, EUA, escritor e apresentador de TV de origem britânica, concluiu: “A ciência sem Deus é um enigma”.

Sendo assim, devemos acostumar a mente à realidade ainda invisível aos sentidos humanos, estabelecendo um relacionamento diplomático entre as Duas Humanidades: Espiritual e Física, permeando os dois planos numa união consciente, pois o Mundo Espiritual não é uma abstração. Ele é invisível, mas existe!

Eis o motivo de ser o apanágio do TBV a Ciência Espiritual!

O fraterno abraço entre o Mundo Espiritual e o mundo material

O Templo da Boa Vontade é o Templo do Ecumenismo Irrestrito, porque avançou além da reconhecida área da Religião e expandiu sua influência altruísta pela Filosofia, pela Política, pela Ciência, pela Economia, pela Arte, pelo Esporte, enfim, por todas as regiões do conhecimento espiritual-humano, como preconizou o Irmão Alziro Zarur (1914-1979), Proclamador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, ao afirmar que “Religião, Ciência, Filosofia e Política são quatro aspectos da mesma Verdade, que é Deus”, no seu modo universalista de ver todas as questões. Quanto à proposta do Ecumenismo Total, igualmente defendida pela Religião do Terceiro Milênio, representa a ligação consciente, pragmática, empreendedora dos seres terrestres com os Seres do Mundo (ainda) Invisível da mais alta hierarquia. Trata-se do grande passo além, com o abraço fraterno, entre os habitantes da Terra e os habitantes do Mundo Espiritual. Disse Jesus no Seu Evangelho, segundo Mateus, 22:32; Marcos, 12:27; e Lucas, 20:38: “Deus é Deus de vivos, não de mortos. Como não acreditais nisso, errais muito, porquanto para Deus todos estão vivos”.

Para entendermos as esferas dos Seres Espirituais, é necessário que compreendamos que existem — empregando a Luz, que é “matéria” quintessenciada, diluída — dimensões situadas além daquelas que nosso domínio das coisas pode alcançar. Veja-se o exemplo da luz. Você a segura com as mãos? Não! Mas os seus efeitos materiais são constatáveis e a sua curvatura no Espaço, comprovada por Albert Einstein (1879-1955), por causa justamente de possuir massa, ainda que relativística.

Eis porque, para os que almejam perlustrar os caminhos do pensamento liberto pelas claridades espirituais infinitas, considero de intensa utilidade estes versos do Poema do Deus Divino, de Alziro Zarur, que fiz colocar com destaque, em letras de bronze, no Salão Nobre do TBV:

Poema do Deus Divino

O Deus que é a Perfeição, e que ora eu tento

Cantar em versos de sinceridade,

Eu nunca O vi, como em nenhum momento

Vi eu o vento ou a eletricidade.

 

Mas esse Deus, que é o meu eterno alento,

Deus de Amor, de Justiça e de Bondade,

Eu, que O não vejo, eu O sinto de verdade,

Como à eletricidade, como ao vento.

 

E O sinto na ânsia purificadora,

Na manifestação renovadora

Do Belo, da Pureza, da Afeição.

 

Com Ele falo em preces inefáveis,

Envolto em vibrações inenarráveis,

Que me trazem clarões da Perfeição. (...)

 

Bondade — que os pecados não consomem —

Do Espírito Divino aos filhos seus:

Deus sempre desce até Seu filho, o homem,

Quando o homem sobe até seu Pai, que é Deus!

 

Pois creio é nesse Deus imarcescível

Que ampara a humanidade imperfeitíssima:

Deus de uma Perfeição inacessível

À humana indagação falibilíssima.

Por isso, o Templo da Boa Vontade é o Templo do Ecumenismo Divino, pois nele exercemos o contato socioespiritual entre a criatura e o Criador — o Deus Divino, incentivando-nos a reconhecer a presença da Mãe-Pai Celeste nos nossos semelhantes, conforme encontramos na Primeira Epístola de João, 4:20 e 21:

Deus é Amor

“20 Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a Quem não vê.

“21 Ora, temos da parte Dele este mandamento: que aquele que ama a Deus ame também a seu irmão”.

Essa é igualmente a essência do Ecumenismo dos Corações, do Afeto, que socorre os aflitos sem medir esforços, tirando até a camisa para vestir o nu, se necessário for.

A sublime luminosidade provinda do Supremo Arquiteto do Universo também inspirou o enunciador da Teoria da Relatividade Geral e Especial. Da biografia do ilustre cientista judeu-alemão, extraímos trecho que mais uma vez lhes apresento por ser de destacada importância, da lavra de Dimitri Marinov, escritor russo:

“Ao receber a notícia de que a Sociedade Real de Londres, em 6 de novembro de 1919, proclamara, à vista das provas, a exatidão de suas teorias, Einstein não se mostrou emocionado (...) e contou que certa noite desesperado, em face dos mistérios insondáveis, pretendia abandonar seus trabalhos, quando, então, a coisa se produziu. Com impressionante precisão, diante de seus olhos espirituais, delineou-se a imagem perfeita do Universo, com sua complexa estrutura, no tempo e no espaço. Quando menos esperava, contemplou, maravilhado, a visão perfeita de um plano-monstro do Cosmo. A partir desse momento, disse ele, readquiria a paz, a convicção, a certeza de que andava em caminho certo”.

Propriedades fundamentais da matéria, não tão fundamentais assim...

Escrevi no terceiro volume das Sagradas Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo (1991):

A Ciência não chegou ao seu desenvolvimento pleno. O conhecimento é uma conquista eterna. Basta ver que, das propriedades fundamentais da matéria, uma delas, a que postula que “dois corpos não podem ocupar simultaneamente o mesmo lugar no espaço”, já não é tão fundamental assim... Partículas atravessam-nos o corpo. Os raios Alfa, Beta, Gama, Xis etc. ignoram-nos como obstáculo. E eles têm massa... Se a própria luz possui massa... E estamos lucubrando apenas no campo da Ciência material. Se passarmos para a região do Espírito, veremos que atravessam paredes e portas. Jesus as transpôs após a Ressurreição. Foi ter com Seus Discípulos que haviam se reunido, apavorados, na casa de Pedro, por causa da perseguição contra eles...

Boa Nova do Cristo, consoante João, 20:19 a 29:

Jesus aparece aos Discípulos

“19 Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os Discípulos, com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e saudou-os: Paz seja convosco!

“20 E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado*1. Alegraram-se, portanto, os Discípulos ao verem o Senhor.

“21 Repetiu-lhes, Jesus, a saudação: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, Eu também vos envio [ao mundo].

“22 E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

“23 Se de alguns perdoardes os pecados, estes lhes serão perdoados; se lhes retiverdes, estarão retidos.

A incredulidade de Tomé

“24 Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus.

“25 Disseram-lhe, então, os outros Discípulos: Tomé, o Senhor apareceu para nós. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas mãos Dele o sinal dos cravos, e ali não tocar com o meu dedo, e não puser a minha mão no Seu lado [ferido], de modo algum acreditarei.

Jesus aparece novamente aos Discípulos

“26 Passados oito dias, estavam outra vez ali reunidos os Seus Discípulos e Tomé com eles. Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e saudou-os: Paz seja convosco!

“27 E logo disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo e vê as minhas mãos; chega também a tua mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, Tomé, porém acredita [no Poder de Deus].

“28 Respondeu-Lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!

“29 Então, Jesus o advertiu: Porque me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e mesmo assim creram”.

Jesus atravessou a matéria “impenetrável”

“(...) Estando as portas trancadas, veio Jesus, pôs-se no meio e saudou-os: Paz seja convosco!” Onde fica, portanto, a lei da impenetrabilidade da matéria?

Um dia, os seres humanos aprenderão naturalmente que matéria também é Espírito. Então, passarão a respeitá-la, por ser Criação Divina destinada a auxiliar a Alma no caminho evolutivo. Jamais o contrário, isto é, para retardar seu progresso. O pormenor está em usarmos corretamente o nosso livre-arbítrio.

Esferas além das esferas

Há Esferas além das esferas, à frente do que a criatura humana já vem considerando como hiperespaço, visto que em outras dimensões a fronteira é muito mais adiante, porque, efetivamente, não há limites para o Universo de Deus. Uma das verdades do Amor é a chave que abre para a Alma as amplas searas da Nova Consciência, que faz da Solidariedade a sua perfeita estratégia. E aqui surge o Novo Renascimento, cuja Suprema Inspiração desce a nós diretamente do Cristo, cuja essência paira acima do campo religioso conflitante: mais uma razão de existir do Templo das Almas Benditas, a Pirâmide dos Espíritos Luminosos.

Somos todos sensitivos

Na realidade, políticos, filósofos, religiosos, cientistas, artistas, esportistas etc., somos todos médiuns. Mas, se não formos sensitivos evangelizados e apocaliptizados, de que nos fala Emmanuel (Espírito), iluminados pela vivência do Novo Mandamento de Jesus — “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos” (Evangelho, segundo João, 13:34 e 35) —, que é Amor Supremo, como ensinava Zarur, que mais conseguiremos ser? Instrumentos do mal? Triste destinação de que deveremos sempre manter distância.

O famoso filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804) assim se expressou: “Confesso que me acho muito inclinado a admitir a existência de naturezas imateriais no mundo e a classificar a minha própria Alma nesta categoria de seres”.

E profetizou que a existência do Espírito seria comprovada no futuro, fora das simples elucubrações especulativas.

TBV — o território da Ciência de Deus

No fim do século 19, cérebros do mais alto quilate se dedicaram à descoberta da mônada imperecível do Espírito. Anotaríamos, aqui, Zöllner (1834-1882) e Flammarion (1842-1925), astrônomos; Helena Blavatsky (1831-1891), escritora, ocultista russa e cofundadora da Sociedade Teosófica; Crookes (1832-1919) e Oliver Lodge (1851-1940), físicos e sábios; o casal Curie, Pierre (1859-1906) e Marie Curie (1867-1934), cientistas notáveis ganhadores do Prêmio Nobel de Física de 1903; Wallace (1832-1913), naturalista insigne; Gibier (1851-1900), discípulo de Pasteur (1822-1895); Varley (1828-1883), engenheiro e descobridor do capacitor elétrico; Hare (1781-1858), célebre químico; o “pai da psicologia americana”, filósofo e escritor William James (1842-1910); entre outros, nomes com os quais encheríamos folhas e folhas. Foram indivíduos que viveram intensamente essa epopeia, tendo a recompensa de chegar pelas vias dos sentidos e da experiência à maravilhosa realidade da Alma Imortal.

Por isso, emprego microfones potentes para que o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi, da LBV, promova — com o Fórum Mundial Espírito e Ciência —, em seus santos ambientes, o expressivo e necessário debate entre aqueles que desafiam o status quo da matéria limitante e ousam enriquecer o mundo com o conhecimento do Espírito-perpétuo!*2

Ciência e Religião, aliadas, devem derrubar todos os obstáculos erguidos pela ignorância e pelo preconceito. Na verdade, a Ciência posteriormente comprova o que a Religião intuitivamente antes percebera. A primeira define, a segunda ilumina.

Os que acreditam na reforma pelo Espírito, cuja influência é capaz de, em definitivo, transformar o mundo, são os que se precisam mover com pertinácia.

Há uma revolução espiritualmente radical, no sentido de ir à raiz da questão, a ser feita pela purificação do sentimento espiritual-humano.

Mais criminosos do que aqueles que não creem neste caminho são os que dizem segui-lo sem se lançarem, no entanto, à ação decidida para alcançar seus objetivos.

É também chegada a hora de sentirmos com o cérebro e raciocinarmos com o coração.

Hosanas ao Templo da Boa Vontade, o território da Ciência de Deus!

Viva Jesus em nossos corações para sempre!

Aquele que os ama,

José de Paiva Netto

Servidor dos Amigos de Deus

__________________

*1 Nota de Paiva Netto

     Por que Jesus lhes mostrou o Seu lado ferido? Porque ali fora atingido pela lança do soldado romano na hora da crucificação, de acordo com a narrativa do Evangelista João, 19:34.

*2 Espírito-perpétuo — Em Ciência, existe a hipótese de uma máquina ideal que perpetuamente geraria sua energia a partir do próprio movimento. Trata-se do moto-contínuo ou moto-perpétuo, que, pelo atual desenvolvimento, seria irrealizável por violar princípios da termodinâmica. No entanto, em seu livro Reflexões da Alma (2003), o escritor Paiva Netto instiga os leitores ao raciocínio de que, uma vez liberto da ótica exclusivamente materialista, se alcançaria o moto-contínuo com base na realidade que antecede a tudo o que existe: o Espírito. Ele assim escreve: “O Espírito é a origem de tudo. Não se trata de uma reação química do corpo humano. Por ser eterno, infinita é a sua energia, a qual se transforma em trabalho, sem que se desgaste. O Espírito é o Moto-Perpétuo. Deus é Espírito. Portanto, Deus é o Moto-Contínuo”. Daí, então, o autor ter se valido desta expressão aqui — o Espírito-perpétuo.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.