Manifesto da Boa Vontade (I)

Fonte: Discurso proferido no lançamento da Pedra Fundamental do ParlaMundi, da LBV, em 21 de outubro de 1991, em Brasília, o qual foi publicado no Manifesto da Boa Vontade.

Recebi do leitor Edson Rodrigues de Freitas, do Rio de Janeiro, pedido para publicar o Manifesto da Boa Vontade, palavras que proferi durante o lançamento da Pedra Fundamental do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, em 21 de outubro de 1991, em Brasília. O manifesto reúne muitos conceitos que lançamos nas décadas anteriores, todavia mostram-se cada vez mais atuais e necessários nos dias de hoje, à medida que o mundo se globaliza e, por isso mesmo, mais necessita de Educação e Cultura, Alimentação, Saúde e Trabalho com Espiritualidade. Vamos ao manifesto:

 

Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica

A Legião da Boa Vontade lança, hoje, a Pedra Fundamental do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica com a consciência de que lhe caberá participar, decisivamente, do mais grave processo de transformação já vivido pelo Ser Humano. Os Tempos das grandes transformações chegaram. Saibamos atravessá-los devidamente.

Antes de mais nada, cumpre trazer a público, claramente, a missão deste Parlamento Ecumênico que contará com a participação efetiva de representantes das mais diversas instituições do Brasil e do Exterior e, principalmente, com a participação do Povo que é a elite de um país.

O Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica manterá suas portas abertas a todos os Seres de Boa Vontade. Ele propõe a conciliação universal de todo o conhecimento humano e espiritual, numa poderosa força a serviço dos povos.

Cizânia, radicalismos, hostilidades de todos os matizes devem permanecer afastados dos debates e das proposições religiosas, filosóficas, políticas, científicas, econômicas, artísticas, esportivas e o que mais o seja, pois o Ser Humano nasce na Terra para viver em sociedade, Sociedade Solidária.

A proposição do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica visa também conciliar o conhecimento vigente no mundo físico com o saber infinitamente amplo, situado na dimensão do Espírito Eterno; unir o Ser Humano às civilizações que existem no Mundo Espiritual, ainda invisível aos nossos pobres e restritíssimos cinco sentidos materiais.

 

Conciliação pelo Espírito

Conciliar é, portanto, a nossa grande convocação, firmados que estamos na extensa experiência ecumênica da LBV: o Brasil e o mundo precisam da vivência imediata do ecumenismo religioso, racial, partidário, empresarial, social, enfim, o Ecumenismo Irrestrito, com base nos valores mais profundos do Espírito. Grande é a nação e sábio o governante que congraçam os valores de seus componentes de todas as raças, crenças, convicções políticas... São os construtores do verdadeiro progresso.

A Legião da Boa Vontade assumiu graves compromissos sociais, desde que seu emérito e saudoso criador, Alziro Zarur (1914-1979), sob inspiração divina, lançou na Terra, a partir da alma brasileira, as raízes desta Instituição. Queremos uma sociedade em que todos os homens sejam realmente iguais em direito, e cujos méritos sociais, por mais louvados e reconhecidos, não se tornem causa de prejuízo dos direitos e liberdades dos demais cidadãos.

Uma sociedade em que Deus e Suas Leis de Amor e Justiça inspirem responsabilidade à liberdade individual, a fim de assegurar liberdade a todos. Falo do Criador Supremo, não dos que procuram fazer Dele, que é Amor, instrumento execrável do fanatismo, preconceito e ódio. Então, as virtudes reais serão as construídas pela própria Criatura na ocupação honesta dos seus dias, na administração dos seus bens e no respeito aos alheios, na bela e instigante aventura da vida. Uma nação que se faça de homens assim será sempre grande e inviolável.

 

A culpa é dos chamados bons

É a hora da união de todos quantos acreditam na regeneração do tecido social, tendo o Espírito do Homem como princípio. E o que vemos em todas as regiões do Planeta, senão a institucionalização da injustiça? Culpa de quem? Dos arruaceiros? Dos gananciosos? Dos corruptos? Dos exploradores? Dos revoltados? Não! Responsabilidade dos que se julgam bons, honestos, capazes, mas que se acomodam, satisfazendo-se apenas em reivindicar os direitos humanos que lhes assistem, esquecendo-se de cumprir com maior arrojo e prontidão os deveres sociais, morais e espirituais que lhes cabem. Quando o território não é defendido pelos bons, os maus fazem "justa" a vitória da injustiça.

(Continua)

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.