Jesus ressuscitou, e nós, com Ele.

Fonte: Jornal A Tribuna Regional, de Santo Ângelo/RS, edição de 3 e 4 de janeiro de 2009, sábado e domingo | Atualizado em março de 2018.

Minhas Irmãs e meus Amigos, minhas Amigas e meus Irmãos, a Semana Santa nos convida a refletir sobre o significado da Ressurreição. Contém notável simbolismo, ainda que você literalmente nela não creia. Não há como negar-lhe o recado de renovação da Esperança, mesmo nas piores contingências humanas e sociais. Jesus, o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, ressuscitou, e nós, com Ele, todas as vezes que integrados estamos no Seu pensamento de Amor, Justiça, Solidariedade e Generosidade. Foi sepultado, contudo reapareceu à visão de todos, três dias depois. Cada um deles correspondendo a uma figura da Trindade Sagrada, dispostas na ordem inversa: o Espírito Santo, o Cristo e a explosão de luzes quando Ele ressurgiu em Deus, que é o Senhor da Vida, o Criador de todas as criaturas, o Supremo Arquiteto do Universo.

Tela: R Jon McNaughton

Título da obra: Ele ressuscitou.

Arquivo BV

Alziro Zarur

Tela: Guido Reni (1575-1642)

Mateus

Ora, qualquer inspiração para uma existência feliz deveria ser, sem restrições sectárias, buscada no texto bíblico em sua parte divina: “O testemunho de Jesus é o espírito de profecia” (Apocalipse, 19:10). Os Profetas são, pelos milênios, guardiães desse testamento, da mensagem de paz, equilíbrio e confiança que Deus envia aos seres terrestres. Se, vates que são, corajosos não fossem, se não enfrentassem com audácia os tropeços, como hoje herdaríamos o testemunho do Cristo? E esse não principia, conforme pensam alguns, no Evangelho, segundo Mateus. Vem desde a Gênesis mosaica, porque tudo foi uma preparação, consoante preconizava o saudoso fundador da Legião da Boa Vontade (LBV), Alziro Zarur (1914-1979), para a Primeira Vinda do Provedor Celeste e o Seu Retorno Triunfal.

Tela: James Tissot (1836-1902)

Título da obra: A Exortação aos Apóstolos.

Jamais temer os desafios

Quando da crucificação do Mestre, os Seus seguidores clamavam entristecidos, e mesmo assustados: “Jesus morreu!” No entanto, Ele ressuscitou. Por isso, jamais temamos coisa alguma, incluída a morte (sem que nunca a provoquemos), que é um fatalismo em toda existência material. Todavia, não nos esqueçamos de que a Vida é eterna. Não acabamos no túmulo ou servindo de pasto às aves de rapina. O corpo é somente a vestimenta da Alma. Daí a responsabilidade de cuidarmos bem dele.

Tela: Henry Ossawa Tanner (1859-1937)

Título da obra: Os peregrinos de Emaús.

Amparo espiritual

Tela: Michelangelo (1508–1512)

Profeta Joel

Que sentimento profundo nos toma à simples rememoração da trajetória magnífica do Cristo de Deus, que baixou até nós para que tenhamos Espírito e Vida, de forma que a promessa que lemos no Profeta Joel, 2:28 e 29, seja sempre realizada: “E acontecerá depois que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões; até sobre os servos e sobre as servas derramarei o meu Espírito naqueles dias!”

Tela: Julius Sergius von Klever (1850-1924)

Título da obra: Jesus caminha sobre as águas.

Tela: Guido Reni (1575-1642)

Marcos

E Jesus, na Boa Nova, segundo Marcos, 13:11, confirma: “Quando, pois, vos levarem e entregarem perante os tribunais, não vos preocupeis com o que havereis de dizer, mas aquilo que vos for concedido naquela hora, isso falai; porque não sois os que falais, porque o Espírito Santo falará por vós”.

Tela: James Tissot (1836-1902)

João o Evangelista.

Em Seu Evangelho, segundo João, 11:25 e 26, o Cristo revela: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá; e todo o que vive e crê em mim não morrerá eternamente. Credes, porém, nisto que vos digo?”

Tela: Rembrandt (1606-1669)

O Apóstolo Paulo

Nós e tanta gente pelo mundo com lealdade proferimos: Sim, Jesus, cremos! Cremos! Cremos! E toda a nossa fortaleza está nessa inquebrantável convicção, porque Contigo aprendemos, nas anotações do Discípulo Amado (João, 15:15), que Tu és a árvore; nós, apenas os ramos: “Eu sou a Árvore, vós sois os ramos. Sem mim, nada podereis fazer”. Portanto, nada poderemos realizar sem aquele poder que do Pai Celestial desce sobre o Filho. E esse Filho, sabemos que és Tu, Aquele que manda a nós os Anjos Benfeitores, consoante revela Paulo Apóstolo na Epístola aos Hebreus, 1:14: “em favor daqueles que hão de herdar a salvação”. Esses Anjos são os nossos Amigos Espirituais, Almas Benditas, protetores, Espíritos de Deus, aqueles que também formam a gloriosa falange de Francisco de Assis, Patrono da LBV, que completa, em todo 1o de janeiro, mais um ano de profícua existência.

Tela: Antonio Carnicero Mancio (1748-1814)

Título da obra: São Francisco pregando aos pássaros.

Vida nova

Tela: Guido Reni (1575-1642)

Lucas

Eis, pois, que todo dia é recomeço para os que não desprezam o tempo e permanecem na Fé Realizante, que inspira e promove as Boas Obras, destacadas por Jesus como incentivo para a vida, porquanto Ele próprio assevera: “Na vossa perseverança, salvareis as vossas Almas” (Evangelho, segundo Lucas, 21:19).

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".