Seres humanos de Paz

Fonte: Jornal de Brasília, edição de 2 de outubro de 2012, terça-feira | Atualizado em setembro de 2016.

 

Reprodução BV

 Gandhi (E); Allan Kardec (C);  São Francisco de Assis (D).

Pela relevância das contribuições que trouxeram aos povos, volto a falar-lhes sobre três expressivas figuras da Humanidade, celebradas no início de outubro: Mohandas Karamchand Gandhi (1869-1948), dia 2; Hippolyte Léon Denizard Rivail, mais conhecido como Allan Kardec (1804-1869), dia 3; e São Francisco de Assis (1181-1226), Il poverello, dia 4. Esse último, patrono da LBV. Cada um, no seu tempo e campo de trabalho, soube atuar com intensidade em prol da Paz. Gandhi, advogado indiano, liderou a libertação de seu povo, pregando a não violência; Kardec, pedagogo francês, codificou a ciência dos Espíritos ao raciocínio humano; São Francisco de Assis, jovem idealista italiano, compartilhou amor universal com todos os reinos da Natureza.

Eles representam muito do que o mundo tanto carece: perseverança diplomática no bem geral, espiritualidade superior nas ações diárias e caridade integral que respeita e ampara indistintamente. Aprendamos suas lições.

Hebe

Marina Figueiredo

Expresso aqui nossa homenagem à querida Hebe Camargo, alegria da televisão brasileira, que, em 29 de setembro, completou mais um aniversário na Pátria Espiritual. Guardo com carinho na memória as ocasiões em que nos recebeu. Uma delas foi na TV Bandeirantes, em 9 de julho de 1983. Com grande simpatia, disse-nos que seu programa era “de muita sintonia em torno do amor”. Estive lá convidando os telespectadores dela para o 8o Congresso Mundial da Mocidade Legionária e dos Soldadinhos de Deus, que se realizaria nos dias 15 e 16 de julho daquele ano, em Santo André/SP. No ensejo, tocada pela vibração de entusiasmo da plateia que nos acompanhava, comentou, com seu natural espírito incentivador: “A gente não pode perder a fé, tem que acreditar sempre no momento seguinte, na vida da gente. E acreditar muito no amor e na união entre as pessoas”.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.