Espiritualidade e medicina aliadas no tratamento de transtornos mentais

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro A Missão dos Setenta e o "lobo invisível", de junho de 2018.
Shutterstock

Diagnósticos de depressão e ansiedade graves, assim como quadros psicóticos de humor e personalidade, têm crescido, trazendo grande preocupação. Segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 23 de fevereiro de 2017, cerca de 322 milhões de pessoas no mundo são afetadas pela depressão, o que corresponde a 4,4% da população mundial. O número aumentou 18,4% entre 2005 e 2015. O Brasil ocupa o quinto lugar entre os países com maior índice de depressão, totalizando 11,5 milhões de indivíduos que sofrem dessa doença, o equivalente a 5,8% da população. O país ainda é recordista mundial em casos de transtorno de ansiedade, com 18,6 milhões de pessoas (9,3% da população), passando por esse desafio. A OMS estima que, em 2020, essas enfermidades venham a ser a principal causa de afastamento do trabalho.

Ainda que parte dessas ocorrências possa estar catalogada de forma imprecisa como distúrbio — pois entendemos que há também o conjunto de naturais manifestações de uma sensitividade espiritual necessitada de equilíbrio e de orientação específica —, observa-se que o tema é verdadeiramente digno de um olhar da sociedade mais atento, cuidadoso e livre de qualquer preconceito.

shutterstock

Afinal, ainda há muito a se compreender, espiritual e materialmente falando. Portanto, não se deve ter vergonha ou medo de diagnósticos dessa natureza. Pelo contrário. É preciso encará-los com serenidade e Fé Realizante, a fim de enfrentar e superar qualquer aspecto clínico adverso, contando sempre com o indispensável amparo de Deus, do Cristo e do Espírito Santo. Costumo afirmar que o organismo humano é a mais extraordinária máquina do mundo. Mesmo assim, falha. Contudo, com Amor Fraterno até os remédios passam a ter melhor resultado. (...)

Pari passu com as políticas públicas e com os cuidados médicos, psiquiátricos e psicológicos dispensados aos pacientes, não se pode deixar de lado, nos diálogos em família e em comunidade, o devido suporte social e a imprescindível presença da Espiritualidade Ecumênica. É indispensável o esclarecimento dos que os cercam sobre a importância de seguir com seriedade o tratamento medicamentoso e psicoterapêutico prescrito, porquanto é Jesus, o Taumaturgo Celeste, quem nos afiança: “Na vossa perseverança, salvareis as vossas Almas” (Evangelho, segundo Lucas, 21:19).

Tela: Gebhard Fugel (1863-1939)

Detalhe da obra: Cristo curando os enfermos.

O Mundo Espiritual não é uma abstração. Ele é (ainda) invisível, mas existe. Não abdiquemos de sua valiosa contribuição à nossa melhora física, que tem início na saúde espiritual.

 

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".