Desserviço dos mistificadores

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro "Tesouros da Alma", de novembro de 2017.

Nosso trabalho visa à sublimação da Religiosidade, que não se posiciona como concorrente das religiões nem se apresenta na forma de uma trave na garganta dos que consideram o ensino religioso um retrocesso. Infelizmente, existe esse velho perigo, tendo em vista a lamentável luta secular pela hegemonia desencadeada por algumas crenças. Abro parênteses para reforçar que de nenhum modo compactuamos com qualquer postura opressiva, intolerante ou segregadora no campo sagrado da Fé e em outras áreas. Promovemos, isso sim, a convivência pacífica e ecumênica como bom futuro para todos.

shutterstock
Arquivo BV

Alziro Zarur

Prosseguindo em nosso raciocínio, devemos compreender que a Espiritualidade é algo inerente aos indivíduos. Brado há décadas: estamos corpo, mas somos Espírito. Conforme escrevi em um artigo na Folha de S.Paulo, de 9 de agosto de 1987, e mais tarde no livro Mãezinha, deixe-me viver! (1989), não se pode eternamente impedir a manifestação daquilo que nasce com o ser humano, mesmo quando ateu: o sentido de Religiosidade, que se expressa das mais variadas formas altruísticas. Para além do debatido determinismo histórico — em resumo, a visão de que nossas ideias são determinadas pela nossa situação histórica —, trata-se, acima de tudo, do Determinismo Divino, de que nos falava Alziro Zarur (1914-1979), saudoso Proclamador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo. Antes que fatalmente a Ciência conclua em laboratório a perenidade da Vida, cumpre à Religião, jogando no lixo preconceitos e tabus milenares, não temer falar, com maior objetividade, sobre o prosseguimento do Espírito após a morte, e pesquisar o Mundo Invisível para valer.

NASA, ESA, and T. Brown (STScI)

O espírito de Religiosidade sobrevive à descrença dos irmãos céticos e, o que é mais difícil, ao desserviço dos mistificadores.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.