Da oração vem a fortaleza

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro "Somos todos Profetas", edição revista e ampliada, de julho de 2022.

Minhas Irmãs e meus Amigos, minhas Amigas e meus Irmãos, todos os fatos, todas as vibrações agora estão nos levando na direção do Cristo para que façamos a nossa prece.

Antes de tudo, Ele. Adiante de todos os fatos, Ele. Ele quem? Jesus, nosso Senhor, que nos deixou o Pai-Nosso. É a oração que faço várias vezes por dia. De noite, ao me deitar, e onde quer que eu me encontre, estou sempre orando o Pai-Nosso. A treva nos ataca? Respondo com a Oração Ecumênica do Cristo. Os problemas surgem no caminho? Eu oro ainda mais intensamente, porque foi a súplica que Jesus deixou para nós. Logo, não há nenhuma invocação mais poderosa do que ela. Convido a todos vocês a entoá-la comigo, “orando e vigiando” (Evangelho do Cristo, segundo Mateus, 26:41).

Vamos, portanto, elevar o nosso pensamento a Deus:

Pai-Nosso

(A Oração Ecumênica de Jesus que se encontra no Seu Santo Evangelho, segundo Mateus, 6:9 a 13.)

Pai Nosso, que estais no Céu, santificado seja o Vosso Nome.

Venha a nós o Vosso Reino.

Seja feita a Vossa Vontade, assim na Terra como no Céu.

O pão nosso de cada dia dai-nos hoje.

Perdoai as nossas dívidas, assim como nós perdoarmos aos nossos devedores.

E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal, porque Vosso é o Reino, e o Poder, e a Glória para sempre.

Amém!

A prece revigora a nossa vigilância e nos impulsiona ao trabalho. Dela vem toda a nossa fortaleza.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.