Ansiedade infantil

Fonte: A Tribuna Regional, de Santo Ângelo/RS, edição de 30 de abril e 1 de maio de 2011, sábado e domingo.

Em um mundo tantas vezes regido pelo imediatismo, onde exigências sociais nos impõem, a cada dia, crescente disputa por um lugar ao sol, o estresse encontra terreno fértil para proliferar. E não somente os adultos tornam-se vítimas deste que é considerado um dos males da modernidade. Também nossas crianças vivem situação semelhante... Elas têm a vida cada vez mais parecida com a nossa: repleta de compromissos e tarefas. Acabam não tendo o devido espaço para ser criança.

E muitas delas ainda padecem de um motivo grave a lhes provocar grande ansiedade. Trata-se do bullying, que deve ser decididamente combatido pelos que têm responsabilidade para com os jovens. Senão, seremos cúmplices dessa violência, originária justamente de um mau direcionamento da própria conduta infantojuvenil. Situação lastimável, que vem prejudicando o aproveitamento escolar de tantas crianças. Isso é trabalhar contra o futuro.

shutterstock

Transtorno de ansiedade

O Centro de Atendimento e Pesquisa de Psiquiatria da Infância e Adolescência (Capia) da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro demonstrou que, nos últimos anos, o número de crianças com transtorno de ansiedade cresceu substancialmente.

Vivian R. Ferreira

Suelí Periotto é supervisora da Pedagogia do afeto e da Pedagogia do Cidadão Ecumênico e diretora do Instituto de Educação José de Paiva Netto, em São Paulo/SP. É doutora e mestre em educação pela PUC-SP, conferencista e apresentadora do programa Educação em Debate, da Super Rede Boa Vontade de Rádio.

 

Divulgação

Fábio Barbirato

Apresento hoje trechos de duas importantes entrevistas concedidas em 2011, mas que julgo atualíssimas, ao Educação em Debate, da Super Rede Boa Vontade de Rádio, sobre ansiedade infantil. Conduzido pela pedagoga Suelí Periotto, o programa contou com a participação de dois especialistas: o psiquiatra Fábio Barbirato, chefe do setor de Neuropsiquiatria Infantojuvenil da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro, e o neurologista da infância e da juventude, do Hospital Albert Einstein, Abram Topczewski, de São Paulo.

Divulgação

Abram Topczewski

Sobre como podemos diferenciar a ansiedade comum da patológica, o dr. Fábio esclareceu que “a ansiedade deixa de ser natural quando prejudica o desenvolvimento tanto social quanto escolar das crianças. Por exemplo, na semana que ela tem de apresentar um trabalho, não consegue ter atenção na escola, apresenta dor de cabeça e enjoos, tem às vezes lesões de pele como psoríase ou queda de cabelo, em consequência da ansiedade antecipatória”.

O dr. Fábio apontou, ainda, alguns dos fatores que corroboram esse crescimento do número de crianças com transtorno da ansiedade: “O que está acontecendo é que esse estresse ambiental vivenciado pelo menino, pela menina, se caracteriza pela pressão por boas notas na escola, pela própria violência que [a criança] vivencia, desde a que mora num lugar mais abastado até a que reside numa localidade mais simples. São fatores de gatilho para apressar sintomas que provavelmente apareceriam mais tarde”.

E alertou: “Acho importante destacar que os transtornos ansiosos são duas a três vezes mais comuns que o autismo e a hiperatividade. As crianças ansiosas sofrem igualmente ou mais. Se não tratadas, elas têm maior probabilidade de desenvolver pânico no futuro, além de depressão e outros transtornos mais graves. É fundamental que os pais procurem ajuda para seus filhos e não achem que isso é algo simples que vai passar com o tempo. Existem serviços especializados em todo o Brasil. Basta procurar uma universidade que tenha o serviço de psiquiatria infantil. Com certeza, seu filho, sua filha, serão bem atendidos, orientados, assim como a família e, se necessário, até os profissionais da escola em que a criança estuda”.

Prosseguindo com o tema, passo agora a palavra ao dr. Abram Topczewski, neurologista da infância e da juventude do Hospital Albert Einstein, de São Paulo:

Tratamento multidisciplinar

Indagado se a má qualidade do sono e os problemas com alimentação geram, nos pequeninos, ansiedade, o dr. Abram explicou: “Muitas vezes essas crianças têm o sono agitado, com pesadelos. Mas não somente o sono é prejudicado. Existem crianças que, quando estão ansiosas, a primeira coisa que fazem é comer de maneira compulsiva. Por outro lado, você também pode ter o que é diametralmente oposto: indivíduos ansiosos que ficam inapetentes, param de comer. Para cada pessoa, você tem realmente um quadro clínico de características diferentes”.

Adultos antes da hora

Na opinião do dr. Topczewski, “a avidez pelas coisas é tão grande, que você acaba colocando as crianças no mesmo esquema. Hoje, uma criança sai de manhã para a escola, depois vai correndo para casa para almoçar e ainda tem atividade esportiva, curso de inglês... Quando se vê, chega em casa às seis, sete horas da noite. Daí, só dá tempo de jantar e dormir. Isso ocorre porque ela esteve ocupada com afazeres durante todo o dia, e aquele momento de não fazer absolutamente nada, de ficar apenas brincando, ela não tem mais. Por quê? Porque estamos tornando a criança adulta antes da hora; e isso, sem dúvida, leva a uma ansiedade muito grande”.

Grato, doutores Fábio e Abram, pelos valiosos esclarecimentos.

Muito saudável também é a vivência de uma Espiritualidade Ecumênica. A prece e a meditação em família podem, e muito, auxiliar no equilíbrio das energias de nossas crianças. 

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.