Defender teses sem espírito de cizânia

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro “Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade – O Poder do Cristo em nós”, de outubro de 2014. | Atualizada em dezembro de 2019.

A Elevada Doutrina de Jesus não existe para, de modo selvagem, conflitar com qualquer esfera de pensamento.

A respeito desse assunto, em minha página “Questão de Morte ou de Vida?”, considerando que, segundo Napoleão Bonaparte (1769-1821), “a maior figura de retórica é a repetição”, reforcei o meu raciocínio publicado na Folha de S.Paulo de 31 de dezembro de 1989, para marcá-lo com máxima intensidade:

Por ser aqui o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica da Legião da Boa Vontade, o ParlaMundi da LBV, todos têm, por força das atividades dele, mais que o direito de expressar suas opiniões, mesmo que com o ardor natural à defesa das teses, todavia, sem espírito de cizânia; logo, civilizadamente.

Pobre da sociedade sem a discussão de ideias. Detestam-na apenas os que querem o domínio criminoso da mente humana. A História conta-nos o horror que tem sido a sua passagem pela Terra. E o homem que não aprende com o passado dificulta o seu futuro.

Cristianismo Dessectarizado

E, com essas reflexões, consequentemente chegamos mais adiante ao propor a dessectarização do Cristianismo, que os seres humanos dividiram em rebanhos, de acordo com os seus diversos graus de entendimento.

Pontos de vista distintos sempre existirão. A causa disso, Alziro Zarur (1914-1979), saudoso fundador da LBV, a explicou na Proclamação do Novo Mandamento de Jesus (Campinas/SP, Brasil, 7 de setembro de 1959): “Há tantas religiões quantos são os graus de entendimento espiritual das criaturas humanas, conforme a soma de suas encarnações”.

O que não deve ocorrer é essa fórmula malévola, criminosa mesmo, com que se promovem lutas fratricidas, as quais enchem de sangue os caminhos de uma história, que precisaria ser mais compassiva.

Em Epístola Constitucional do Terceiro Milênio (1988), escrevi: Haverá um tempo majestoso, em que o ser humano só aceitará um dogma: o da Fraternidade sem fronteiras.

Jesus, o Político de Deus, que, pelo Seu caráter altamente humanitário, pode ser admirado até pelos descrentes, exorta-nos à compaixão: “Misericórdia quero, não holocausto” Jesus (Mateus, 9:13).

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.