Leis Divinas e destinos da Terra

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro Reflexões da Alma, de 2003.
Nasa
Reprodução BV

Tomás de Kempis

As Leis Divinas governam os destinos da Terra. Pena que a maioria dos seres humanos ainda não saiba disso. Esse desconhecimento contribui para a dificuldade de realização delas, facilitando, assim, os desastres que a todo momento se veem e o campear da guerra pelos milênios. Mas que Jesus almeja para nós? A resposta se encontra neste trecho do confortador Imitação de Cristo, no qual o monge Tomás de Kempis (aprox. 1379-1471) comenta os ensinamentos do Educador Celeste: “Cristo — Meu filho, Eu disse: ‘Eu vos deixo a paz; Eu vos dou minha paz. Eu vo-la dou, não como a dá o mundo’ (João, 14,27). Comentário: Todos desejam a Paz, mas nem todos buscam os procedimentos que produzem a verdadeira. A minha Paz está com os humildes e simples de coração. Na muita paciência a encontrarás. Se me ouvires e seguires a minha voz, poderás usufruir dela fartamente”.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.