A abrangente missão do Templo da Boa Vontade

Fonte: Capítulo extraído do livro Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, volume 2, de 1990 | Atualizado em junho de 2017.

A morte não existe!

Arquivo BV

Alziro Zarur  

Para se compreender a abrangente missão do Templo da Boa Vontade, TBV, plasmada no Apocalipse de Jesus, é preciso antes conhecer o Poema do Deus Divino, de Alziro Zarur (1914-1979), cujas principais estrofes — as mesmas que se acham transcritas numa das paredes do Salão Nobre do Templo do Ecumenismo Divino, em Brasília/DF, Brasil — trazemos a seguir:

Poema do Deus Divino

O Deus que é a Perfeição, e que ora eu tento
“Cantar em versos de sinceridade,
“Eu nunca O vi, como em nenhum momento
“Vi eu o vento ou a eletricidade.

Mas esse Deus, que é o meu eterno alento,
“Deus de Amor, de Justiça e de Bondade,
“Eu, que O não vejo, eu O sinto de verdade,
“Como à eletricidade, como ao vento.

E O sinto na ânsia purificadora,
“Na manifestação renovadora
“Do Belo, da Pureza, da Afeição.

“Com Ele falo em preces inefáveis,
“Envolto em vibrações inenarráveis,
“Que me trazem clarões da Perfeição.

Pois creio é nesse Deus imarcescível
Que ampara a Humanidade imperfeitíssima:
Deus de uma Perfeição inacessível
À humana indagação falibilíssima.

...............................................
...............................................
 ...............................................

Bondade – que os pecados não consomem
“— Do Espírito Divino aos filhos Seus:
“Deus sempre desce até Seu filho, o homem,
“Quando o homem sobe até seu Pai, que é Deus!

Pois creio é nesse Deus imarcescível
Que ampara a Humanidade imperfeitíssima:
Deus de uma Perfeição inacessível
À humana indagação falibilíssima.

Sim: “Deus sempre desce até Seu filho, o homem,/ Quando o homem sobe até seu Pai, que é Deus”.

É o que proclama a Religião Divina, com o TBV, o Templo da Boa Vontade, a todas as criaturas espirituais e humanas, sem distinção de crença, descrença, ideologia, partido político, cor. É um trabalho de abrangência cósmica, que não conhece empecilhos, de modo a fazer que o filho suba ao Pai Celestial, sempre disposto a descer ao coração de Suas criaturas.

O Ecumenismo do TBV permeia os Mundos Material e Espiritual

Muitos poderiam entender que esse aspecto de atuação sem fronteiras do TBV se restrinja ao fato de que ele avançou além da reconhecida área da Religião e expandiu sua influência altruística por todas as regiões do conhecimento espiritual-humano, como preconizou Alziro Zarur, em 1973, ao afirmar: “Religião, Ciência, Filosofia e Política são quatro aspectos da mesma Verdade, que é Deus”.

João Periotto

Ele assim defendia uma vez mais o Ecumenismo Irrestrito*1, não limitado a duas ou três religiões dominantes, que também merecem de nós todo o respeito.

Ocorre, porém, que a missão do Templo da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, seguindo a programação deixada pelo próprio Zarur — denominada por ele de Ecumenismo Total*2 —, de unir à Sociedade Celeste a sociedade terrestre, é infinitamente mais ampla, porque adentra o território do Invisível. Desvenda-nos o Plano dos Espíritos, não como algo abstrato, mas realidade concreta cuja aceitação resultará numa extraordinária renovação da Humanidade terrena, que aprenderá muito com os vivos que habitam o mundo dos “mortos”, que não se encontram mortos coisa alguma. Convém, entretanto, alertar, com veemência, que a proposta do Ecumenismo Total, sustentada pela Religião do Terceiro Milênio, resume-se na ligação consciente, pragmática, realizadora dos seres terrestres com os seres do Mundo (ainda) Invisível da mais alta hierarquia, e não com os espíritos atrasados, que estão precisando das nossas preces.

João Periotto

Eis-nos, portanto, diante de uma universal Cultura Ecumênica, que não reconhece a separação permanente nem mesmo entre as dimensões material e espiritual, pois são ambas criação de um único Deus. (...).

Como governar bem

Por isso que a Religião Divina tem como horizonte nada menos que Jesus, o Guia Supremo do planeta Terra, Aquele que governa não somente a sociedade terrena, material, visível, como também a celeste, espiritual, ainda invisível. Eis por que o próprio Cristo, Ele mesmo, inspirou ao saudoso Irmão Zarur anunciar a União das Duas Humanidades*3, à do Céu a da Terra, como solução para todos os problemas que afligem os povos, pois não basta aos governantes conduzir as multidões como se homens e mulheres fossem apenas sacos de carne, sangue e ossos. Isso é a vestimenta. O destino do ser espiritual não é transitório como o daquilo que cobre os seus corpos. Somos, antes de tudo, Espírito criado à imagem e semelhança de Deus, que é Espírito Eterno.

Tela: James Tissot (1836-1902)

Título da obra: A mulher de Samaria no poço.

Ensinou Jesus à samaritana, junto ao poço de Jacó (consoante os relatos do Evangelho, segundo João, 4:24), que Deus é justamente isto: Espírito!, importando pois que, como tal, seja adorado: em Espírito e Verdade. Por isso que Zarur, com a ousadia e o alto discernimento que sempre o intuiu, pregou, como o grande segredo a ser revelado para o perfeito governo dos povos, unir à Humanidade de Cima a Humanidade de baixo. Não há, portanto, nenhum estadista que possa ser considerado superior neste mundo se não houver compreendido isso. Por maior que seja, ou que o pensem ser, se desconhece as Leis Universais que dirigem os destinos eternos dos componentes do país que conduz, não superou ainda o grau de pré-escola da verdadeira Política, a de Deus, pregada pelo PBV, que justamente surgiu para atender às exigências espirituais dos povos. A ordem de Jesus, o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, é esta: “Buscai primeiramente o Reino de Deus e Sua Justiça, e todas as coisas materiais vos serão acrescentadas” (Evangelho, segundo Mateus, 6:33).

Ora, os seres humanos vêm fazendo, no campo da política, exatamente o contrário. O resultado dessa inversão está aí pelo mundo, para quem quiser vê-lo. Os políticos ainda não descobriram o Jesus Político. E quando o fizerem, convém não brincar com Ele.

Ação abrangente

Tela: Guido Reni (1575-1642)

Título obra: São Mateus e o anjo.

Nestes tempos finais de um gravíssimo ciclo apocalíptico, vanguardeiramente abrindo uma era nova para a Humanidade exausta de sectarismos estéreis, aprisionadores das Almas que Deus criou libertas, a ação do Templo da Boa Vontade não se limita ao restrito campo das criaturas humanas, pois sendo destas estreita a visão, fatalmente restrita será toda e qualquer ação resultante do seu reduzido conhecimento. Daí a admoestação de Jesus, no Seu Evangelho, segundo Mateus, 6:22 e 23:

A luz e as trevas

22 São os olhos a lâmpada do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso;

23 se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!”.

Revolução Mundial dos Espíritos de Luz

Está, portanto, em marcha a Revolução Mundial dos Espíritos de Luz*4, a Revolução dos olhos divinamente iluminados pelo Evangelho-Apocalipse do Cristo, corajosamente anunciada pelo Proclamador da Religião Divina, em dezembro de 1953.

Antes provai se são de Deus

Geralmente quando se fala em Espírito, algumas mentes, que por pouco tempo obscurecem ainda determinados setores das diversas crenças do mundo, gritam arrepiadas: “Espírito! Coisa de satanás! Vade retro!”. Então, como explicar o surgimento das religiões, pois se elas, salvo raras exceções, se originaram justamente de manifestações espirituais?!

Reprodução BV

Cardeal Bona

No século 17, o Cardeal Bona (1609-1674), conhecido como o Fenelon da Itália, com muita propriedade assim se manifestou: “Motivo de estranheza é que se pudessem encontrar homens de bom senso que tenham ousado negar em absoluto as aparições e comunicações das almas com os vivos, ou atribuí-las a extravio da imaginação, ou, ainda, a artifícios dos demônios.

Tela: Cristóbal García Salmerón (1603-1666)

Título da obra: São João Evangelista.

Espíritos existem e sempre existirão. Que somos senão Espíritos sob a vestimenta da carne?! O que nos compete é discernir se a Entidade Espiritual é evoluída ou se permanece atrasada, como nos aconselha o Apóstolo João, na sua Primeira Epístola, 4:1: “Amados, não deis crédito a qualquer Espírito, antes provai se são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. (...)”.

Um Templo aberto a terrestres, extraterrestres e Espíritos

Há muito tenho explicado que o Templo da Boa Vontade (TBV) surge para cumprir uma especial finalidade no mundo. Abrigando o Conselho Deliberativo Mundial da Boa Vontade (um dos departamentos do ParlaMundi da LBV), ele é destacado também como o Templo do Ecumenismo Divino, não somente porque suas portas estão abertas a todos os seres de Boa Vontade, mas porque propõe a conciliação universal de todo o patrimônio espiritual, humano, moral, cultural, numa poderosa força a serviço dos povos terrestres, de outros orbes celestes e do Mundo Espiritual Invisível.

NASA/JPL-Caltech/ESO/STScI

Cizânia, radicalismo, hostilidades de todos os matizes devem permanecer afastados dos debates e das proposições religiosas, filosóficas, políticas, científicas, econômicas, esportivas, o que mais o seja, pois o ser humano nasce na Terra para viver em sociedade, Sociedade Solidária.

O objetivo do Conselho Deliberativo Mundial da Boa Vontade é agregar o conhecimento vigente nos mundos físicos com o saber infinitamente amplo situado na dimensão do Espírito Eterno; unir as criaturas às civilizações que existem no Mundo Espiritual, ainda invisíveis aos nossos pobres e restritíssimos cinco sentidos materiais.

O humano e o belo, segundo o homem; o Belo e o Humano, segundo Deus!

Quando falo em ser humano, faço-o sob o critério fraterníssimo do Ecumenismo Total e Irrestrito, que a todos vê como Filhos de Deus, porquanto refiro-me também aos que residem em outros orbes planetários materiais. Nem tudo o que é humano (vida inteligente como a que conhecemos) obrigatoriamente deve parecer com o homem terreno. Quem pode provar sermos nós a mais bela forma da Criação Universal? O dia em que nos for concedida, por merecimento próprio, a visão pessoal de Deus, é que teremos a capacidade para aquilatar o padrão verdadeiro da Beleza.

O grande brado do Ecumenismo Irrestrito do TBV é: “A morte não existe”, “os mortos não morrem” e “não somos os únicos privilegiados da Criação Divina. Todo o Universo é habitado e deve confraternizar, porque Deus é isto, e tão somente isto: Amor!”.

Por trás do triste ceticismo a esse respeito, existe uma tremenda covardia para enfrentar o único fato inafastável nesta vida: um dia todos vamos deixar o corpo físico. Não foi sem motivo que Zarur nos legou sobre a imortalidade, em forma de versos, o esclarecimento decisivo:

Poema do Imortalista
Arquivo BV

Paul Gibier

Dois de novembro é um dia, na verdade,
“Rico em lições para quem sabe ver:
“A maior ilusão é a realidade,
“Já ensinava o excelente Paul Gibier.

Os vivos (pseudovivos) levam flores
“E lágrimas aos mortos (pseudomortos);
“E os mortos se comovem ante as dores
“Dos vivos a trilhar caminhos tortos.

Legítimos defuntos, na ignorância
“Desses espirituais, magnos assuntos,
“Parece que ‘inda estão em plena infância,
“E vão homenagear falsos defuntos.

Não é preciso ser muito sagaz
“Para sentir que a vida tem seus portos:
“Um dia, o Cristo disse a um bom rapaz
“‘Que os mortos enterrassem os seus mortos’.

Amigos, por favor, não suponhais
“Que a morte seja o fim de nossa vida;
“A vida continua, não jungida
“Aos círculos das rotas celestiais.

Os mortos não estão aí, cativos
“Nos túmulos que tendes ante vós:
“Os finados, agora, são os vivos;
“Finados, mais ou menos, somos nós.

(...).

Permear os dois mundos

Conscientes de que a existência do Plano Espiritual é uma realidade objetiva, com esse trabalho realizado pelo Templo do Ecumenismo Irrestrito e o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica (o ParlaMundi da LBV), queremos permear o mundo material-religioso com o Mundo Espiritual-religioso, o mundo material-político com o Mundo Espiritual-político, o mundo material-econômico com o Mundo Espiritual-econômico, o mundo material-científico com o Mundo Espiritual-científico, o mundo material-filosófico com o Mundo Espiritual-filosófico, o mundo material artístico com o Mundo Espiritual-artístico, o mundo material-esportivo com o Mundo Espiritual-esportivo, e assim por diante.

José Gonçalo

União consciente das Duas Humanidades

Quero destacar que este relacionamento que estamos propondo entre os Planos Visível e Invisível deve ser feito com o Mundo Espiritual Superior e não com as regiões umbralinas, infernais, evidentemente onde gravitam Almas em estado de grande perturbação, recebendo urgentes e necessários corretivos da Lei Divina; portanto, inabilitadas para ajudar os que habitam a Terra. (...).

O Mundo Espiritual não é uma abstração

Quais, por exemplo, as consequências de um político realmente saber que a Vida continua após a morte do corpo físico? E, ainda mais, reconhecer que existem, no Espaço Superior, políticos capacitados a inspirar-lhe grandes decisões, sem lhe tolher o livre-arbítrio, pois o relacionamento será consciente? E, da mesma forma, para os religiosos, os filósofos, os cientistas, os economistas, os artistas, os esportistas etc.

No TBV, eles não irão fazer suas orações movidos por uma fé cega, mas, sim, pela convicção plena de que o exercício da prece vai prepará-los, colocando-os em sintonia com o Governo Invisível da Terra, para melhor atuar em cada um desses campos de vida espiritual-humana, transformando o mundo, de acordo com a Soberana Vontade de Deus, que a tudo dirige.

Irão, pois, ao Templo da Boa Vontade e ao ParlaMundi para, por força do Espírito, desenvolver seus talentos. Porque, afinal de contas, somos todos nós o Capital de Deus, que deve ser valorizado, levando-se em conta a Sabedoria Celeste. (...).

Somos todos médiuns

Reprodução BV

Allan Kardec

O relacionamento entre o Mundo Material e o Espiritual é compulsório, já explicamos. A respeito disso, anotou Allan Kardec (1804- 1869) em O Livro dos Espíritos, capítulo 9, 2a parte, perguntas 459, 464, 467 e 468:

“459a Influem os Espíritos em nossos pensamentos e em nossos atos?
“— Muito mais do que imaginais. Influem a tal ponto, que de ordinário são eles que vos dirigem.
“464a Como distinguirmos se um pensamento sugerido procede de um bom Espírito ou de um Espírito mau?
“— Estudai o caso. Os bons Espíritos só para o Bem aconselham. Compete-vos discernir.
“467a Pode o homem eximir-se da influência dos espíritos que procuram arrastá-lo ao mal?
“— Pode, visto que tais espíritos só se apegam aos que, pelos seus desejos, os chamam, ou aos que, pelos seus pensamentos, os atraem.
“468a Renunciam às suas tentativas os espíritos cuja influência a vontade do homem repele?
“— Que querias que fizessem? Quando nada conseguem, abandonam o campo. Entretanto, ficam à espreita de um momento propício, como o gato que tocaia o rato”.

Na realidade, políticos, filósofos, religiosos, cientistas, artistas, esportistas etc., somos todos médiuns. Mas, se não formos sensitivos evangelizados e apocaliptizados, iluminados pela vivência do Novo Mandamento de Jesus (Evangelho do Cristo, segundo João, 13:34 e 35, e 15:13 e 9), que é Amor, nada mais poderemos ser do que instrumentos do mal, como sói acontecer nos dias que correm.

Disse Jesus: Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros. (...) Não há maior Amor do que doar a própria vida pelos seus amigos. (...) Porquanto, da mesma forma como o Pai me ama, Eu também vos amo. Permanecei no meu Amor (Evangelho, segundo João, 13:34 e 35; 15:13 e 9).

(...)

Mais uma lição do TBV

Tela: Guido Reni (1575-1642)

Título da obra: São Marcos.

A lição que o Templo da Boa Vontade ensina, reiteramos: se existe (como realmente existe) ligação compulsória da Humanidade de Cima com a de baixo — infelizmente ainda de forma inconsciente para grande parte das pessoas e, por isso mesmo, quase sempre perniciosa, com resultados desastrosos na maioria das vezes — e, se é inevitável a influência do Mundo Invisível sobre o visível, que ela seja para o Bem, porque o contato que se estabelece geralmente ainda é com criaturas espirituais maléficas, atrasadas, verdadeiros diabos. Isso por causa da nossa renitente ignorância a respeito das coisas espirituais. Mas Jesus não nos deixou sem o devido esclarecimento: “Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; como desconheceis isto, errais muito” (Evangelho, segundo Marcos, 12:27).

Trabalhemos, pois — plenamente conscientes —, para mudar essa situação. Queiramos sintonia com as Entidades do Bem.

É o que desejam os Espíritos Superiores.

Captemos com lucidez as suas sugestões, posto que eles existem, livrando-nos da ação solerte do astral inferior. (...).

TBV — A União da Terra ao Céu

Tela: Philippe de Champaigne (1602-1674)

Moisés

O Templo do Ecumenismo Irrestrito (com o Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi da LBV) ergueu-se na Terra para realizar também o sonho de Jacó, relatado no Livro Gênesis, de Moisés, capítulo 28, versículos de 10 a 17.

E o fará, realmente, porque os Tempos chegaram, ou melhor, já estão em pleno transcurso.

A visão da escada

“10 Partiu Jacó de Berseba e seguiu para Harã.
“11 Tendo chegado a certo local, ali passou a noite, pois já era sol-posto; tomou uma das pedras do lugar, fez dela seu travesseiro e se deitou para dormir.
“12 E sonhou: Eis posta na terra uma escada, cujo topo atingia o céu; e os Anjos de Deus subiam e desciam por ela.
“13 Perto dele estava o Senhor*5, e lhe disse: Eu sou o Senhor, Deus de Abraão, teu pai, e Deus de Isaque. A terra em que agora estás deitado, eu a darei a ti e à tua descendência.
“14 A tua descendência será como o pó da terra; estender-se-á para o Ocidente e para o Oriente, para o Norte e para o Sul. Em ti e na tua descendência serão abençoadas todas as Famílias da Terra*6.
“15 Eis que Eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei voltar a esta terra, porque não te desampararei, até cumprir Eu tudo aquilo que tenho te falado.
“16 Despertado Jacó do seu sono, disse: Na verdade o Senhor está neste lugar; e eu não sabia*7.
“17 E, temendo, bradou: Quão temível é este lugar! É a casa de Deus, a porta dos céus”.

A Oração e seus reais efeitos

Por que, ao entramos em um templo para orar e pedir forças a Deus, saímos fortalecidos?

Se vamos até lá para nos sentirmos melhor é porque essas boas vibrações de saúde espiritual existem de fato e são manipuladas pelos bons Espíritos, ou Anjos Guardiães. Elas se encontram ao nosso dispor, não somente nos templos, por isso temos de saber como captá-las em todos os ambientes, por piores que eles sejam. Na verdade, o Grande Templo é o mundo. Geralmente, procuramos o isolamento para entrar em sintonia com os Espíritos de Deus, mas eles estão em toda parte, a todo momento, mesmo no meio da maior balbúrdia*8. Zarur explicava que Deus coloca Seus Apóstolos até nos bordéis. Podemos sintonizar os Espíritos de Deus em qualquer lugar da Terra. Mais que isso, do Universo, desde que saibamos entrar no nosso Silêncio interior, nos isolar da confusão, até mesmo no meio dela. Ninguém orou mais do que os cristãos primitivos lançados às feras, queimados vivos, dilacerados nos horrores dos circos romanos, no meio do seu próprio sangue, ouvindo os gritos alucinados das massas em delírio. E eles oravam. Oravam. Souberam entrar no seu próprio silêncio. (...).

_________________

*1 e *2 Leia a revista JESUS ESTÁ CHEGANDO!, edição comemorativa dos 10 anos da Academia Jesus, o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista. Na publicação, você encontrará uma das vanguardeiras teses da Religião Divina, “Os Quatro Pilares do Ecumenismo”.

*3 União das Duas Humanidades — Alziro Zarur aborda o tema na 17a Chave Bíblica da Volta Triunfal de Cristo Jesus, no Livro de Deus (esgotado).

*4 Revolução Mundial dos Espíritos de Luz — Anunciada em 1953 pelo saudoso Proclamador da Religião Divina, Alziro Zarur (1914-1979), abrange um amplo movimento de caráter ecumênico total que promove o intercâmbio consciente entre as Duas Humanidades, a da Terra e a do Céu da Terra. A iniciativa ganhou corpo a partir da década de 1980, quando o escritor Paiva Netto acrescentou ao título a expressão “de Luz”. Em 6 de janeiro de 1992, dando início às reuniões práticas do Centro Espiritual Universalista (CEU), Paiva Netto deu maior desenvoltura a essa Divina Revolução, criando o primeiro grupo de Mediunidade Direta da Religião do Terceiro Milênio.

*5 “Perto dele estava o Senhor” — Veja no segundo volume da coleção Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo explicação sobre os espíritos confundidos com Deus.

*6 Todas as famílias: o Israel de Deus“Em ti e na tua descendência serão abençoadas todas as famílias da terra.” Comenta Paiva Netto: “Isto significa que Deus não tem privilegiados. Falando a um hebreu, não se esquecia dos gentios: ‘todas as famílias da Terra’. Eis aqui a justificativa para o gigantesco trabalho de Paulo Apóstolo de levar ecumenicamente o Cristianismo nascente além das fronteiras hebreias”.

*7 Deus está em toda parte“Na verdade, o Senhor está neste lugar; e eu não sabia.” Elucida Paiva Netto: “Ora, Deus não estava somente ali, mas em toda a parte, por ser Onipresente. Percebemos nesta passagem mais um caso em que um Espírito de Luz é confundido com a própria Divindade”.

*8 Entrar no silêncio – Veja “Quanto às Lições do CEU”, no segundo volume da coleção Diretrizes Espirituais da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".