Status da Mulher nas Nações Unidas

(Matéria publicada na revista BOA VONTADE, número 201, edição de maio de 2005.)

Quando fazia os acertos finais da nova edição (52ª), revista e ampliada, de As Profecias sem Mistério, que foi lançada com sucesso na XII Bienal Internacional do Livro, no Rio de Janeiro, encerrada no dia 22 deste mês, recebi a publicação da Mensagem da Legião da Boa Vontade (LBV) para a 49ª Sessão da Comissão do Status da Mulher, nas Nações Unidas, Nova York, EUA. Pela relevância do documento — divulgado pela ONU, em seus seis idiomas oficiais (Inglês, Espanhol, Francês, Árabe, Russo e Chinês) a delegações de Estado e a organizações não-governamentais —, resolvi homenagear essas que são o sustentáculo das ações, transcrevendo o material em meu livro e trazendo-o também na revista BOA VONTADE.

Passemos, então, ao conteúdo desta memorável página:

Documento da Legião da Boa Vontade para a 49ª Sessão da Comissão do Status da Mulher

 

“Com relação à 49ª Sessão da Comissão do Status da Mulher, sobre o tema ‘Desafios atuais e previsões de estratégias para o avanço e empoderamento*¹ das mulheres e meninas’, a Legião da Boa Vontade (LBV), ONG brasileira com status consultivo geral no Ecosoc, tem recolhido e compartilhado com o sistema das Nações Unidas melhores práticas no tocante a estratégias do empoderamento e do avanço das mulheres e meninas para disseminá-las em caráter nacional e internacional, por intermédio de Centros Comunitários, creches e pré-escolas espalhadas na América Latina, na Europa e nos Estados Unidos, especialmente no Brasil, no Paraguai, no Uruguai, na Bolívia, na Argentina, em Portugal e nos Estados Unidos, pois, segundo afirma o jornalista, radialista e escritor José de Paiva Netto, Diretor-Presidente da LBV:

“‘Toda organização vitoriosa desfruta a presença marcante de mulheres espiritualmente esclarecidas. A intuição, competência do Criador manifesta na criatura, é um dos poderosos instrumentais femininos. Talvez por isso tenha Voltaire (1694-1778), um dia, exclamado: ‘Tous les raisonnements des hommes ne valent pas un sentiment d’une femme’, isto é, todos os raciocínios dos homens não valem o sentimento de uma mulher’ (Reflexões da Alma, 38ª ed., p. 17).

“A Legião da Boa Vontade defende uma estratégia justa, política, cultural, científica, filosófica na igualdade de gêneros. Conforme se encontra na Declaração Universal dos Direitos Humanos, ‘todos têm o direito de fazer parte do governo do seu país. O empoderamento e autonomia da mulher e a melhoria do seu status social, econômico e político são essenciais para alcançarem transparência e um governo respeitável e uma administração e desenvolvimento auto-sustentável em todas as áreas da vida’ (texto extraído da Plataforma de Ação da Declaração de Beijing — Mulher no Poder e Tomada de Decisões).

“Mesmo que as mulheres em nossos dias possam liderar grandes corporações, dirigir aeronaves, conduzir operações nos centros de cirurgia hospitalares, inserir-se no mercado de trabalho, aproximando-se dos mesmos direitos que os homens, ainda existe um enorme caminho a ser trilhado. É inadmissível que, em pleno século XXI, elas ainda sofram com as penas de uma cultura milenar e sejam subjugadas.

“Por isso a LBV traz aos debates da 49ª Sessão da Comissão do Status da Mulher a sua cooperação para uma adoção absoluta de ação da plataforma de Beijing, trabalhando para promover parcerias entre homens e mulheres em todos os segmentos: político, cultural, científico, educacional e assim por diante. Como diz o Diretor-Presidente da LBV com relação à igualdade de gêneros: ‘Valorizar a Mulher dignifica o Homem’.

“‘Pelo nosso prisma, a mulher tem direito a ser Presidente da República, condutora de religiões, capitã de indústria, de aviões e navios transatlânticos; tem direito de ser médica, engenheira, professora... No trabalho, há um justo conceito de valor entre homens e mulheres: o da competência. Então, os sexos nisso estarão harmonizados. Que brilhe o homem, que brilhe a mulher, conforme a competência de cada um. Isso não quer dizer que homens e mulheres são totalmente iguais. Aí está pelo menos, de início, a anatomia para desmentir. O que quero dizer é que não se devem sustentar antigas barreiras e levantar novas, firmadas em tabus, preconceitos e interesses espúrios, para impedir maior influência da mulher sobre o destino do mundo. Homem e mulher dependem um do outro. Completam-se’ (Paiva Netto, extraído do livro Reflexões e Pensamentos — Dialética da Boa Vontade, publicado em 1987).

“Como resultado de inúmeros problemas psicológicos e financeiros vividos pelas mulheres para que elas possam encarar uma gravidez saudável e decentemente criar seus filhos, a LBV criou diversos programas para minimizar essa situação emergente em seus Centros Comunitários e Educacionais, entre eles o SER Mulher. Essa ação desenvolve uma variedade de outras integradas para toda a família e seus membros, independentemente de idade. O objetivo principal é resgatar a auto-estima humana, profissional, intelectual e emocional. Uma equipe de profissionais voluntários concretiza ações para melhorar a qualidade de vida daquelas pessoas como um todo, acrescentando valores éticos e espirituais aos valores materiais, objetivando o verdadeiro exercício da cidadania.

“Uma das atividades da LBV em parceria com setores privados e departamentos governamentais é o suporte voluntário para efetivamente gerar resultados e melhorar a vida das mulheres menos favorecidas na sociedade, por meio de conferências educacionais, aulas de cabeleireiro e estética, workshops, cursos ocupacionais, melhorando a renda financeira familiar e oferecendo ajuda jurídica e psicológica. ‘Cidadão-Bebê’ tem como finalidade estreitar os laços afetivos entre mãe e filho, encorajar a realização do pré-natal, resgatar o significado da gravidez combater a má nutrição de mamães e bebês. As mulheres começam a participar desse projeto desde o terceiro mês de gestação. Durante todos os estágios, elas são auxiliadas a preparar o enxoval e a fazer exames clínicos. Recebem alimentação complementar, terapia da fala, cuidados de enfermaria, assistência com terapia musical para elas e sua família. Ainda freqüentam palestras sobre a criança recém-nascida, amamentação, planejamento familiar, doenças sexualmente transmissíveis, câncer cervical e de mama, etc. A mesma motivação é dada para que elas orem em família.

“Essa prática continua até que o neném atinja um ano de idade. Durante esse tempo, mães vão em grupos às palestras, pelas quais são orientadas sobre má nutrição, nutrição, creches, higiene e saúde bucal dela e de sua prole. Outra atividade para garantir os direitos das mulheres e a assistência são as creches e as escolas da LBV, que preparam seus filhos para atingir o potencial pleno e a cidadania. Milhares deles são tirados anualmente da situação de risco social e capacitados para a competição no mercado de trabalho. As escolas são compostas de moderno centro de pesquisas: física, química, biologia; e de laboratórios de computadores, ginásios de esportes e grandes áreas recreativas.

“Nesse contexto, as creches e escolas têm preponderante papel, porque a criança, desde seu primeiro ano de vida (no berçário) até a juventude (quando freqüenta o ensino fundamental e médio), está envolvida pela LBV no processo de aprendizagem com bases sólidas. Todo esse trabalho está embasado na Pedagogia do Cidadão Ecumênico, criada pelo educador Paiva Netto e aplicada com sucesso nas unidades educacionais que a Obra mantém no Brasil e no mundo, levando ao aluno valores universais de Espiritualidade Ecumênica e o gosto pela prática da Solidariedade. Faz surgir no indivíduo valores que contribuem para o contínuo melhoramento das relações e do ambiente sociais. Esses centros educacionais da Instituição funcionam sob o lema Aqui se estuda. Formam-se Cérebro e Coração.

"Para dar apoio e amparo às meninas e mulheres em situação de risco social, desde a década de 1980 a LBV oferece à sociedade escolas e Centros Comunitários e Educacionais, no Brasil e Exterior. Nesses locais, são proporcionados gratuitamente a milhares de crianças e jovens menos favorecidos pré-educação infantil, elementar e ensino médio, cursos profissionalizantes, alfabetização, entre outros. Como exemplo, temos o Centro Educacional, Cultural e Comunitário, na cidade do Rio de Janeiro/RJ; o Instituto de Educação, em São Paulo/SP; o Lar e Parque Alziro Zarur (da LBV), em Glorinha/RS; além de muitos outros centros profissionalizantes no País. A Pedagogia do Cidadão Ecumênico é aplicada nos centros educacionais da LBV e visa conciliar o intelecto com o sentimento à luz da Espiritualidade Ecumênica. Colabora na solução dos maiores conflitos humanos e garante participação igual às mulheres, conforme os assuntos tratados na temática ‘igualdade de gêneros’.

"Como afirma o jornalista Paiva Netto em seu Manifesto da Boa Vontade*²:

‘“(...) Cizânia, radicalismos, hostilidades de todos os matizes devem permanecer afastados dos debates e das proposições religiosas, filosóficas, políticas, científicas, econômicas, artísticas, esportivas e o que mais o seja, pois o Ser Humano nasce na Terra para viver em sociedade, Sociedade Solidária.

“‘A proposição do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica (o ParlaMundi da LBV) visa também conciliar o conhecimento vigente no mundo físico com o saber infinitamente amplo, situado na dimensão do Espírito eterno; unir o Ser Humano às civilizações que existem no Mundo Espiritual, ainda invisível aos nossos pobres e restritíssimos cinco sentidos materiais.

“‘Conciliação pelo Espírito

“‘Conciliar é, portanto, a nossa grande convocação, firmados que estamos na extensa experiência ecumênica da LBV: o Brasil e o mundo precisam da vivência imediata do ecumenismo religioso, étnico, partidário, empresarial, social, enfim, o Ecumenismo Irrestrito, com base nos valores mais profundos do Espírito. Grande é a nação e sábio o governante que congraçam os valores de seus componentes de todas as etnias, crenças, convicções políticas... São os construtores do verdadeiro progresso.

“‘A Legião da Boa Vontade assumiu graves compromissos sociais, desde que seu emérito e saudoso criador, Alziro Zarur (1914-1979), sob inspiração divina, lançou na Terra, a partir da alma brasileira, as raízes desta Instituição. A LBV quer uma sociedade em que todos os homens sejam realmente iguais em direito, e cujos méritos sociais, por mais louvados e reconhecidos, não se tornem causa de prejuízo dos direitos e liberdades dos demais cidadãos.

“‘Uma sociedade em que Deus e Suas Leis de Amor e Justiça inspirem responsabilidade à liberdade individual, a fim de assegurar liberdade a todos. Falo do Criador Supremo, não dos que procuram fazer Dele, que é Amor, instrumento execrável do fanatismo, preconceito e ódio. Então, as virtudes reais serão as construídas pela própria Criatura na ocupação honesta dos seus dias, na administração dos seus bens e no respeito aos alheios, na bela e instigante aventura da vida. Uma nação que se faça de homens assim será sempre grande e inviolável.

“‘A culpa é dos chamados bons

“‘É a hora da união de todos quantos acreditam na regeneração do tecido social, tendo o Espírito do Homem como princípio. E o que vemos em todas as regiões do Planeta, senão a institucionalização da injustiça? Culpa de quem? Dos arruaceiros? Dos gananciosos? Dos corruptos? Dos exploradores? Dos revoltados? Não! Responsabilidade dos que se julgam bons, honestos, capazes, mas que se acomodam, satisfazendo-se apenas em reivindicar os direitos humanos que lhes assistem, esquecendo-se de cumprir com maior arrojo e prontidão os deveres sociais, morais e espirituais que lhes cabem. Quando o território não é defendido pelos bons, os maus fazem ‘justa’ a vitória da injustiça (...)’.

“Para assegurar estratégias de previsões da Plataforma de Ação de Beijing no avanço e no empoderamento das meninas e mulheres na 49ª Sessão da Comissão do Status da Mulher, os governos e a sociedade civil devem ampliar estratégias de resgate da qualidade da educação pública e familiar, todas elas com base na adoção de valores da Espiritualidade Ecumênica, portanto universais.”

 

Retrato de Mãe

 

Não poderia finalizar este artigo deixando de prestar nossa homenagem a todas as mães, por meio desta jóia literária do bispo chileno Dom Ramón Ángel Jara (1852-1917)*³:

“Existe uma simples mulher que possui um pouco de Deus pela imensidade de seu Amor, e muito de anjo pela constância de sua dedicação. Mulher que, sendo jovem, pensa como anciã; e na velhice, trabalha como se tivesse o vigor da juventude; se é ignorante, decifra os problemas da vida com mais acerto do que um sábio; sendo culta, amolda-se à simplicidade das crianças; quando pobre, considera-se bastante rica com a felicidade daqueles que ama; e sendo rica, daria com prazer sua riqueza para não sofrer a injúria da ingratidão. Forte ou intrépida, entretanto estremece ante o choro de uma criancinha; franzina, se reveste, às vezes, da bravura de um leão. Mulher que, enquanto viva, não sabemos dar-lhe o devido valor, porque a seu lado todas as nossas dores se apagam... Mas, depois de morta, daríamos tudo o que somos e tudo o que temos para vê-la de novo um só instante e dela receber a carícia de seus abraços, uma palavra de seus lábios...

“Não exijais de mim que diga o nome dessa mulher se não quiserdes que eu inunde de lágrimas este álbum, porque já a vi passar em meu caminho. Porém, quando os vossos filhos crescerem, lede-lhes esta página. E eles, cobrindo-vos de beijos, dirão que um pobre viandante, em retribuição da magnífica hospedagem recebida, deixou gravado neste álbum, para todos, o retrato de sua própria Mãe”.

 

Exemplos históricos

Mulher! Sinônimo de fortaleza, coragem e compaixão... Certamente por isso o Divino Mestre contou com o extraordinário apoio de tantas heroínas como Madalena, Joana de Cusa, Maria, Marta, sua irmã, além de tantas outras que o Evangelho não registra, mas o Espírito de Deus imortaliza. No momento da crucificação, elas se encontravam corajosamente ao lado da Mãe de Jesus, enquanto os homens, exceto João Evangelista, assustados, se escondiam. Depois, vieram a redimir-se. Aliás, na hora trágica do Mestre, elas é que permaneceram ao Seu lado. Por isso que, na volta do Taumaturgo Celeste ao Planeta Terra, conforme está anunciado no Seu Evangelho e no Seu Apocalipse, já que Ele vem dar a cada um de acordo com as suas obras (Boa Nova do Cristo, segundo Mateus, 16:27), creio que elas tenham a glória de estar à frente da equipe de recepção. Elas e todos aqueles que são capazes, pela força do Amor, de afrontar os perigos e não desonrar o seu Senhor. Pois disse Jesus:

Aquele que me testemunhar entre os homens, Eu o testemunharei diante do Pai que está nos céus; mas aquele que me negar perante os homens, Eu também o negarei diante do Pai que está no Céu (Evangelho do Cristo, segundo Mateus, 10:32 e 33).

E para terminar, este significativo provérbio judaico:

— Deus não pode estar em todos os lugares e por isso fez as mães.

_________________

Empoderamento (empowerment) — Termo cunhado na língua inglesa para designar um processo contínuo que fortalece a autoconfiança dos grupos populacionais desfavorecidos e os capacita para a articulação de seus interesses e para a participação na comunidade, facilitando-lhes o acesso aos recursos disponíveis e o controle sobre estes, a fim de que possam levar uma vida autodeterminada e auto-responsável e compartilhar do processo político. Dessa forma, a abordagem de empoderamento das atividades ligadas ao fomento das mulheres aponta para a autodeterminação, o aumento do nível de auto-organização, assim como para um papel mais ativo do sexo feminino em todos os processos sociais. Fonte: site Compêndio do Vocabulário da GTZ (www2.gtz.de/glossar).

Manifesto da Boa Vontade — Importante pronunciamento feito por Paiva Netto durante o lançamento, em 21 de outubro de 1991, da Pedra Fundamental do Parlamento Mundial da Fraternidade Ecumênica, o ParlaMundi da LBV, em Brasília/DF. O prédio foi inaugurado pelo dirigente da Legião da Boa Vontade poucos anos depois, à zero hora de 25 de dezembro de 1994. O manifesto reúne muitos conceitos lançados por ele décadas anteriores, mas que são extremamente atuais e necessários nos dias de hoje, neste mundo globalizado, que cada vez mais precisa, como ele diz, de Educação e Cultura, Alimentação, Saúde e Trabalho com Espiritualidade Ecumênica.

Ramón Ángel Jara — Nasceu em Santiago, no Chile, em 2 de agosto de 1852. Iniciou seus estudos com os padres franceses no Colégio dos Sagrados Corações de Valdivia e em 1862 se incorporou ao seminário conciliar de Santiago, onde alcançou o grau de bacharel em Humanidades. Posteriormente ingressou na Universidade do Chile para seguir a carreira de Direito, mas em 1874 abandonou-a porque decidiu ser sacerdote. Recebeu a ordenação sacerdotal em 16 de setembro de 1876. Chegou a ser o quinto bispo de San Carlos de Ancud e também o quinto bispo de La Serena. Faleceu na cidade de Serena em 9 de março de 1917.

Ciência e Fé na ONU

Aproveito o ensejo para anunciar outras vitórias de nosso País em seu papel de disseminar a Solidariedade: a participação da LBV em mais dois importantes acontecimentos que se realizam na Sede da ONU.

No dia 26 de maio, representantes de nossa querida Obra — que integra o Comitê de Espiritualidade, Valores e Interesses Globais de ONGs nas Nações Unidas — discorreram sobre antigo tema que escrevi “Transformação pela Consciência Espiritual e o Ecumenismo Irrestrito” durante evento promovido pelo referido comitê: Seminário — Como as Dimensões Espirituais da Ciência e da Consciência podem ajudar as Nações Unidas e a Humanidade a alcançar melhores padrões de vida, num contexto de maior liberdade — que, por sinal, tem a LBV como co-organizadora.

O encontro contou ainda com as palestras do consagrado cientista e escritor Dr. Masaru Emoto, autor do The Hidden Messages in Water (Mensagens Secretas da Água), e do Embaixador Anwarul K. Chowdhury, Subsecretário-Geral da ONU e Alto Comissário para os Países Menos Desenvolvidos, Ilhados e Pequenas Ilhas em Desenvolvimento.

Outro acontecimento importante, para a minha felicidade, exatamente quando completarei 49 anos nas lides da LBV, será a entrega, pela Legião da Boa Vontade, durante a Reunião do Alto Segmento do Conselho Econômico e Social (Ecosoc), do relatório com sugestões das organizações não-governamentais da América do Sul, que tem por meta contribuir para o cumprimento dos Oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio da ONU. Esse parecer é o primeiro resultado dos trabalhos fomentados pela Rede Sociedade Solidária, lançada pela LBV.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.