Protocolo de Montreal

Fonte: Jornal A Tribuna Regional, de Santo Ângelo/RS, edição de 19 e 20 de setembro de 2009, sábado e domingo.

Em 16/9/2015, o Protocolo de Montreal completou 28 anos. Dele nasceu o Dia Internacional para a Preservação da Camada de Ozônio. Esse assunto — que hoje inquieta não apenas os cientistas, mas também as lideranças mundiais — passa pela urgente necessidade de um processo educativo dos povos e de seus comandantes, tendo a vivência do ecumenismo como ferramenta básica. Na revista Globalização do Amor Fraterno, publicação especial da LBV para o High-Level Segment 2007, do Ecosoc (ONU), explico que, quando falamos em ecumenismo, queremos dizer universalismo, fraternidade sem fronteiras, solidariedade mundial, visto que entendemos a Humanidade como uma família. E não existe uma só em que todos possuam o mesmo comportamento. Cada um é um cosmos independente, o que não implica que esses “corpos celestes” tenham de esbarrar uns nos outros. Reportamo-nos então ao Ecumenismo dos Corações, aquele que nos convence a não perder tempo com ódios e contendas estéreis, mas a estender a mão aos caídos, pois se comove com a dor; tira a camisa para vestir o nu; contribui para o bálsamo curativo do que se encontra enfermo; protege os órfãos e as viúvas, como ensina Jesus, no Evangelho, segundo Mateus, 10:8. Quem compreende o alto sentido do Ecumenismo dos Corações sabe que a Educação com Espiritualidade Ecumênica será cada vez mais fundamental para o progresso dos povos, porque Ecumenismo é Educação aberta à Paz; para o fortalecimento de uma nação (não para que domine as outras); portanto, o abrigo de um país e a sobrevivência do orbe que nos agasalha como filhos nem sempre bem-comportados. Basta lembrar o lamentável fenômeno do aquecimento global, a cada dia denunciado pelas maiores cabeças pensantes do mundo. 

Aquecimento global e Rio Grande do Sul

Em entrevista ao programa Viver é Melhor, da AM 1300, emissora da Super Rede Boa Vontade de Rádio, de Porto Alegre/RS, o professor Jefferson Cardia Simões, pesquisador e geólogo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, responsável pela introdução no Brasil da ciência glaciológica (estudo da geografia das regiões polares), ao ser indagado sobre os resultados benéficos do Protocolo de Montreal no combate ao efeito estufa, comentou: “Houve um grande avanço. Conseguimos reduzir a emissão de cloro, flúor, carbono e outros gases que são danosos à camada de ozônio”.

A respeito dos trabalhos de prevenção realizados no Estado gaúcho, o também coordenador-geral do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera informou que “já existe um serviço de monitoramento liderado pelo INPE — Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais — com a participação da Universidade de Santa Maria, para ver a variação de ozônio desde Natal/RN até a Antártida, e com isso se sabe mais ou menos as tendências”

Na oportunidade, revelou que “a grande preocupação da comunidade científica é o impacto do aumento da radiação ultravioleta por causa da carência de ozônio nos microrganismos dos oceanos. É relevante chamar a atenção para o fato de que são esses microrganismos, o fitoplancto, base de nossa cadeia alimentar e grande sequestrador de carbono da atmosfera, o grande pulmão da Terra. Ou seja, se começarmos a afetá-los podemos fazer mudanças ambientais no planeta ainda não conhecidas”.

Grato, professor Jefferson, pelas suas preciosas elucidações.

Sem controle

E há quem afirme que o efeito estufa não é prejudicial. Porém, se esquecem de que os poluentes se expandem, afetando-nos desde o ventre materno. Daqui a pouco, não haverá mais onde se esconder. Como ensina o aforismo popular: "Presos, ou presas, por ter cão; ou presos, ou presas, por não ter cão".

Contudo, ainda é possível mudarmos esse quadro, já que o irrefreável instinto de sobrevivência sempre leva o ser humano a respostas para problemas que, na maioria das vezes, ele próprio criou.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.