“Ide e Pregai”. A Missão é Nossa! (II)

Fonte: Revista JESUS ESTÁ CHEGANDO!, edição 111, de setembro de 2011.

A partir do emblemático exemplo de conversão de Paulo Apóstolo, Paiva Netto traz uma visão pedagógica sobre a dor, destacando a força da Divina Misericórdia, que tudo vê e transforma.

Em seguida, ao falar do dom de servir, convoca os Simples de Coração a propagar as lições redentoras de Jesus aos povos.

Para esse exercício de Fé Realizante, o líder da Religião de Deus destaca a urgente renovação no Amor, os valores da mediunidade no Bem e o inexorável apoio da Humanidade de Cima.

Certamente, estamos diante de mais uma página magistral para sua lavra de 55 anos de serviços à Causa da Boa Vontade de Deus na Terra. Ensinamento para o coração, combustível para os bons atos.

Ótima leitura.

Os editores

O exemplo de Paulo Apóstolo

Prosseguindo nosso estudo da passagem bíblica “Ide e pregai” (Evangelho segundo Marcos, 16:15), vale ressaltar o exemplo do Apóstolo dos Gentios, como ficou conhecido Saulo de Tarso, que, após se tornar missionário do Cristo, passou a chamar-se Paulo, cujo significado em latim é “pequeno”. Há gente que, percebendo ou não, valoriza mais o discípulo dileto de Gamaliel, pois muito falam nele, como que colocando Jesus, o Cristo, em segundo plano. E costumam pregar “ao pé da letra que mata”, contrariamente ao alertamento do próprio Apóstolo, em sua Segunda Epístola aos Coríntios, 3:6, porquanto ele disse:

(...) a letra mata, o Espírito é que vivifica.

 

Esquecem-se, ainda, de que São Paulo inicialmente combateu o Cristianismo, que na Terra surgia. No entanto, o Divino Mestre, ao convocá-lo para a difícil missão, demonstrou-nos a necessidade de arrebanhar seguidores e não fazer distinção sectária de pessoas.

O bom senso de Pedro e o combate ao preconceito

Pedro Apóstolo fez destaque desse ensinamento de Jesus, ao escrever em sua Primeira Epístola, 1:17:

E se chamais Pai aquele que com imparcialidade julga a cada um de acordo com suas obras, comportai-vos com temor durante o tempo de vossa peregrinação. (...) (O destaque é nosso.)

Se assim não fora, como poderia Jesus identificar um grande valor naquele Espírito, Saulo de Tarso, que anteriormente vivia em imensa perturbação e violência, como já conhecemos pelas narrativas de Lucas. O Celeste Taumaturgo, porém, via nele um filho de Deus, a exemplo de todos nós, e preocupou-se em iluminar-lhe a mente, com as luzes do Seu Amor Cósmico, que deu vida a tudo o que existe. (Atos dos Apóstolos de Jesus, 9:1 a 22.)

No Alcorão Sagrado, em sua 3a Surata “Aal`Imran” (A Família de Imran), versículo 84, lemos:

Dize: Cremos em Deus, no que nos foi revelado, no que foi revelado a Abraão, a Ismael, a Isaac, a Jacó e às tribos, e no que, de seu Senhor, foi concedido a Moisés, a Jesus e aos profetas; não fazemos distinção alguma entre eles (...).

A parte de Deus

Bom, aqui já temos uma profunda lição: poder essencial para julgar, possui-o Deus, a Quem obedece o Cristo. Quem diria que Paulo Apóstolo, antes Saulo de Tarso, teria sua vida marcada de forma extraordinária servindo ao Cristo? Ele que antes, ainda como Saulo, era feroz perseguidor dos cristãos. Por meio dos bons exemplos, que devemos cumprir sempre, e da prece (“Vigiai e orai”, disse Jesus*1), é preciso identificar, conforme, há tempos, escrevi, a parte de Deus em todas as criaturas e fazer com que elas ressuscitem da morte espiritual e moral, o que poderíamos chamar a parte de satanás, ou espírito da treva, que perturba a evolução da Alma. Viver no mal é viver morto. Lembro-me de o Irmão Zarur (1914-1979), saudoso Proclamador da Religião de Deus, referir-se aos “cadáveres ambulantes”, pessoas que orbitam na maldade, na perseguição dos mais fracos, nos atos indignos, no preconceito, no racismo. Infelizmente, assim o são, enquanto labutam para que longe delas permaneça o Espírito de Deus, que é Amor (Primeira Epístola de João, o Evangelista-Profeta, 4:8). Bem que Ele continuamente esteja no íntimo das criaturas, esperando a hora em que elas Nele despertem, pois os atos humanos, por um tempo que seja, mantêm provisoriamente encoberta a Divina Luz que, na verdade, não se extingue.

Não querendo que nenhum se perca

Por isso, ninguém vive perdido por toda a Eternidade. É do interesse do Criador que nenhuma de Suas criaturas se perca. E Ele a todas criou.

— 9 Não retarda o Senhor a Sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, Ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento (capítulo 3° da Segunda Epístola do Apóstolo Pedro, versículo 9).

Então, se elas por um período permanecem no túmulo da ignorância das coisas espirituais, Deus, que é Pai, por meio das vidas sucessivas, vai trabalhando o Espírito de cada um. Reencarnação é oportunidade que recebemos do Criador para que alcancemos a salvação. E essa reforma é feita pelo Cristo e através do Espírito Santo, que existem dentro de todos nós.

Ao se quebrar a casca que obstrui a visão espiritual do Ser Humano, a Divina Luz aparece e nos clareia o coração e o cérebro (o sentimento e a inteligência), até que não mais haja escuridão em nosso corpo e em nossa Alma. Este é o trabalho do Amor, “o poder que move os Universos”, no dizer de Dante*2 (1265-1321), saibamos disso ou não. O Amor é essa força.

O Divino Poder da Fé

De fato, os Apóstolos e Discípulos sofreram muito, mas cumpriram a sua missão. Assim nós temos de ser. Foram mortos pela espada, torturados da forma mais ignóbil, presos, crucificados de cabeça para baixo, como Pedro Apóstolo, mas perseveraram — os verdadeiramente fiéis — até o fim.

Na Epístola aos Hebreus, capítulo 11, versículos de 32 a 40, Paulo retrata esse heroísmo profético (Antigo e Novo Testamentos) e apostólico (Novo Testamento):

A natureza da Fé

32 E que mais direi? Faltar-me-á, portanto, o tempo se eu quiser falar de Gideão, de Baraque, de Sansão, de Jefté, de Davi, de Samuel, dos profetas,

33 que, pela Fé, conquistaram reinos, exerceram a justiça, alcançaram as promessas, taparam as bocas dos leões

34 e suspenderam a violência do fogo, evitaram o fio da espada, convalesceram de enfermidades, foram fortes na guerra, puseram em fuga exércitos estrangeiros.

35 Mulheres recobraram seus filhos mortos, por meio da ressurreição. Pela Fé, uns foram torturados, não querendo resgatar suas vidas por alcançarem melhor ressurreição;

36 outros sofreram ludíbrios e açoites e, além disso, cadeias e prisões.

37 Foram apedrejados, serrados pelo meio, tentados, mortos ao fio da espada, e andaram errantes, cobertos de peles de ovelhas, de peles de cabras, necessitados, angustiados, aflitos.

38 Eram homens de quem este mundo não é digno, errantes nos desertos, nos montes e escondendo-se nas covas e nas cavernas da terra.

39 Todos eles, provados pelo testemunho da Fé, ainda, contudo, não receberam a recompensa prometida,

40 tendo o Cristo disposto alguma coisa melhor a nosso favor, para que eles, sem nós, não obtivessem a perfeição da felicidade.

Novos Profetas, Discípulos e Apóstolos

Todos os Legionários da Boa Vontade, todos os Benfeitores da Religião de Deus, todos os voluntários, a Juventude Legionária Militante, os Soldadinhos de Deus, as mulheres que cantam no Coral Comunitário Nair Torres representam as pessoas simples de Boa Vontade, instruídas nas letras humanas ou não, porque simplicidade de coração nada tem a ver com classe social. Todos nós devemos pensar assim: podemos ser fracos diante dos poderes humanos avassaladores, mas nos tornamos fortes quando compreendemos que tudo alcançamos

naquele que nos fortalece, Cristo Jesus (Paulo Apóstolo aos Filipenses, 4:13).

Vocês são como novos Profetas, Apóstolos e Discípulos, que na Terra ressurgem, desta vez para não somente pregar o Evangelho, mas também eloquentemente o Apocalipse.

Adendo IV

Jesus, o Profeta Divino

No dia 1° de setembro deste ano, durante a 15a Bienal do Livro do Rio de Janeiro, no Riocentro, lancei Jesus, o Profeta Divino. Um livro que escrevi em tempo restrito, num intenso trabalho, a partir de material que vinha separando. Esse esforço de Boa Vontade visa enriquecer ainda mais o conteúdo doutrinário da Religião de Deus. Com isso, desejo-lhes aumentar o suporte para o fiel cumprimento dessa bela tarefa de pregar aos povos o Evangelho-Apocalipse do Cristo, sempre em Espírito e Verdade, à luz do Novo Mandamento de Amor Universal.

Jesus, o Profeta Divino é o quarto volume da série de palestras “O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração”, a qual proferi no rádio e na TV. Na medida do possível, pretendo lhes trazer outras obras, a exemplo de Voltamos!, Os mortos não morrem, A Missão dos Setenta e a Lição do Lobo Invisível e novas edições, revistas e ampliadas, de Somos todos Profetas e Apocalipse sem Medo.

Deus é a minha força!

Esse é o título de uma de minhas composições do CD A Face de Deus é o Amor, que escrevi em Santa Maria do Arnoso, Lugar de Lages, Portugal, em abril de 2001. Inspirei-me no Profeta Isaías, 12:2. Nela, o coral entoa:

Eis que Deus é
A minha salvação.
E, Nele, confiarei
E não temerei.
Porque a minha força,
Com o meu canto, é Deus.
E Ele é a minha salvação.

É Deus de Amor.
Ele é Deus de Amor.
(...)
Deus de Amor.

É nessa eterna fortaleza que todos nós — conforme vemos no versículo 1o do capítulo 125 do livro dos Salmos, no Antigo Testamento da Bíblia Sagrada (A Fé inabalável) — devemos nos fixar:

Os que confiam no Senhor são como o monte Sião, que não se abala, permanece firme para sempre. (O destaque é nosso.)

O ilustre poeta fluminense Casimiro Cunha (1880-1914), pela psicografia de Chico Xavier (1910-2002), nos endereça esta mensagem de conforto:

(...)

Aquele que foge à luta,
Temendo a infelicidade,
Despreza sem perceber,
O dom da oportunidade.

......................................
......................................
......................................

Eleva-te o bem ao alto,
Desce o mal ao vale fundo.
O que semeias na Terra,
Aguarda-te no outro Mundo.

Manter a sintonia

Não devemos perder a oportunidade de orar, jamais! Precisamos do Poder de Deus sempre! Como consegui-lo? Diz o velho Flexa Dourada, “mantendo a sintonia” com os nossos Amigos Espirituais, os Anjos da Guarda, os nossos guias, a exemplo dos orixás, como quiserem chamar, os nossos protetores, porque aqui respeitamos todas as crenças. São todos Espíritos, Almas desencarnadas.

Mediunidade, sintonia elevada e os Simples de Coração

Um comentário se faz imprescindível: ocorre ainda que a maioria dos médiuns, dos sensitivos é indisciplinada. Por isso são utilizados os verdadeiramente Simples de Coração. Como nos esclarece Emmanuel, no livro Roteiro, também na psicografia do Legionário Chico Xavier:

— Não há bom médium sem homem bom. Não há manifestação de grandeza do Céu no mundo sem grandes almas encarnadas na Terra. Em razão disso, acreditamos que só existe verdadeiro e proveitoso desenvolvimento psíquico se estamos aprendendo a estudar e servir.

O que é um pregador da Palavra de Deus? É um sensitivo, um médium Dele na Terra. Mas é fundamental ter o coração simples e jamais se tornar soberbo, porque aí cairá nas mãos da treva.

Diante disso, peçamos perdão aos nossos amigos do Mundo da Verdade, que, ao nosso lado, realizam a Revolução Mundial dos Espíritos, ao nosso estimado Dr. Bezerra de Menezes (1831-1900) e sua dedicada Equipe, pelo trabalho inaudito que lhes acarretamos, prometendo-lhes corrigir-nos. E, que a começar da prece diária, saberemos como nos dirigir e aliar a eles, de modo que seja feita a Divina Vontade do Cristo na Revolução Mundial dos Espíritos de Luz.

Adendo V

É preciso mudar esse quadro!

Como escrevi em Santa Maria do Arnoso, Lugar de Lages, Portugal, em 11 de abril de 2001, mais de 10 anos depois de ter começado a pregar o Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração, na mensagem que mandei a todos os de Boa Vontade, nas celebrações da Páscoa, na Ressurreição de Jesus, destaco a palavra do Dr. Roberto de Canalejas ao enfermo Camilo Cândido Botelho num hospital no Mundo da Verdade, registrada no livro Memórias de um suicida, psicografia da querida Irmã Yvonne do Amaral Pereira (1900-1984):

Para os Espíritos de Deus, é mais fácil contatar os umbrais que as criaturas da Terra. (O destaque é nosso.)

Ora, meus Irmãos e minhas Irmãs, meus jovens e meus queridos vovôs, vovós e Soldadinhos de Deus, sejamos Simples de Coração para merecer a graça de Deus, ser leais instrumentos da Revolução Mundial dos Espíritos de Luz Divina e deixar de ser entraves ao contato celestial mediúnico entre Céu e Terra.

Prossegue o mentor espiritual Dr. Roberto de Canalejas:

— Daí preferirmos as almas simples, os humildes e os pequeninos, os quais, por sua vez, por não disporem senão de bem pequenos cabedais do intelecto, exigem de nossa parte, Espíritos, perseverança, dedicação e trabalhos exaustivos para algo revelarmos aos homens através de suas faculdades, isto é, dos seus dons e sensitividade, seus dons mediúnicos, seus dons carismáticos.

A palavra de Kardec

Encontramos no Livro dos Médiuns, de Allan Kardec (1804-1869), este elucidativo ensinamento:

— Se o médium, do ponto de vista da execução, não passa de um instrumento, exerce, todavia, influência muito grande, sob o aspecto moral. Pois que, para se comunicar, o Espírito desencarnado se identifica com o Espírito do médium, esta identificação não se pode verificar, senão havendo, entre um e outro, simpatia e, se assim é lícito dizer-se, afinidade. A alma exerce sobre o Espírito livre uma espécie de atração, ou de repulsão, conforme o grau da semelhança existente entre eles. Ora, os bons têm afinidade com os bons e os maus com os maus, donde se segue que as qualidades morais do médium exercem influência capital sobre a natureza dos Espíritos que por ele se comunicam.

Se o médium é vicioso, em torno dele se vêm grupar os Espíritos inferiores, sempre prontos a tomar o lugar aos bons Espíritos evocados. As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor do próximo, o desprendimento das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria.

Exclama Jesus no Seu magnífico Sermão da Montanha:

— Bem-aventurados os humildes, porque deles é o Reino do Céu (Mateus, 5:3).

E diz mais:

— Bem-aventurados os limpos de coração, porque eles verão Deus face a face (Mateus, 5:8).

O dom de servir

Portanto, humildade é a imprescindível lição para quem deseja trilhar os caminhos da Caridade Espiritual, que é dar a conhecer a todos as riquezas inesgotáveis do Manancial Divino, diretamente de Suas Sublimes Fontes no Mundo Espiritual Superior. É a simplicidade de coração, correto posicionamento exaltado por Aquele que, embora sendo Mestre em Israel, jamais deixou de servir à Humanidade:

42 Mas Jesus, chamando Seus discípulos para junto de si, disse-lhes: Sabeis que os que são considerados governadores dos povos têm-nos sob seu domínio, e sobre eles os seus maiorais exercem autoridade.

43 Mas entre vós não é assim; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva;

44 e quem quiser ser o primeiro entre vós será servo de todos.

45 Pois o próprio Filho de Deus não veio para ser servido, mas para servir e dar a Sua vida em resgate por muitos.

(Evangelho segundo Marcos, 10:42 a 45)

Por isso, repito com minha alma banhada de júbilo: servir a Jesus não é sacrifício. É privilégio.

Adendo VI

Um recado do Mundo Espiritual

Bem a propósito esta mensagem espiritual transmitida pelo saudoso Legionário da Boa Vontade Joaquim Evilásio Coelho (1905-1968), em 17 de abril de 1993, na Igreja Ecumênica da Religião de Deus, pela psicografia do sensitivo Legionário Chico Periotto, da qual publicamos trecho na edição 107 de JESUS ESTÁ CHEGANDO. Ei-la na íntegra:

A súplica de Evilásio:
“Por favor, nos recebam”

Deus Está Presente!

O nosso recado ultrapassa barreiras e vai ao encontro de todos vocês, abnegados trabalhadores da Boa Vontade, que (com a Religião de Deus) comunicam a Volta de Jesus, o que faz de todos Irmãos (e Irmãs) queridos, e que cumprem os Mandamentos do Divino Amigo.

Saibam, ouvimos as suas preces, os pedidos e as solicitações de suas mentes, de seus pensamentos.

Temos colocado, nas imensas Equipes Legionárias das Campanhas, proteção espiritual e bastante apoio.

Voltamos a repetir que vocês devem em suas preces se lembrar de nós, porque nós não nos esquecemos de vocês.

Ficamos gratos quando lutam por seus Irmãos e não deixam os objetivos do Mestre na LBV esmorecer.

Comuniquem a Verdade de Deus e serão recompensados pelo Amor do Cristo.

Temos realizado reuniões periódicas junto de todos e queremos derramar bastantes meios de sustentação para a Casa de Deus.

Liguem-se na tomada do Cristo, que a Corrente da Voltagem Divina fará prodigiosos e grandes tentos para a Glória do Mestre.

Numa esfera de colaboração frequente, estamos fazendo preces por suas vitórias.

Quero dizer-lhes que o nosso encontro é constante, permanente, e não podemos admitir equipes desunidas. (...)

Aproveitem nossa presença e redobrem as metas, pois vocês irão alcançá-las.

Sejamos lâmpadas do Bem e não nos arrependeremos jamais.

Fica a nossa exortação e a presença nas tarefas de vocês.

Por favor, por favor, por favor e por favor, nos recebam.

Estamos aqui para ajudá-los.

Viva Jesus!

Evilásio

A importância desse recado

Quem verdadeiramente compreendeu, em profundidade, a mensagem do Apocalipse Divino, que está expressa não apenas no Livro das Profecias Finais, no término da Bíblia, contudo desde a Gênese Mosaica, pode sentir a importância do recado do Espírito Joaquim Evilásio Coelho. Destaque-se nela o alto significado da pregação de Alziro Zarur a respeito da urgência da união, sob os auspícios de Deus, dos vivos da Terra com os vivos do Céu. Ninguém morre. Zarur eloquentemente preconizou essa Divina Aliança das Duas Humanidades. E definiu:

— O segredo do governo dos povos é unir a Humanidade da Terra à Humanidade do Céu.

Esse ensinamento do saudoso Proclamador da Religião de Deus exalta a mensagem psicografada de Joaquim Evilásio Coelho. O dedicado Legionário pernambucano nada mais deseja, com a sua verdadeira súplica, que os seus Irmãos da LBV e Cristãos do Novo Mandamento de Jesus do plano terráqueo realmente se unam aos seus confrades do Mundo (ainda) Invisível. E o resultado será extraordinário, verdadeiramente milagroso.

Abyssus abyssum invocat

Nesta época decisiva em que vivemos, quem não estiver na perfeita sintonia de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, que constituem a expressão maior do Amor Celeste, viverá, por vontade própria, jogado ao léu. Estará entregue aos ventos raivosos de fatos — de há muito anunciados pelos Profetas e pelos Apóstolos de Jesus — que não serão contidos nem pelos mais poderosos regimes políticos, apesar de seus maiores pensadores, exércitos, forças policiais ou o que mais seja.

Zarur, na 21a Chave Bíblica da Volta Triunfal de Jesus, registra a realidade incontível para seres surpresos e incontroláveis pelo medo que se tornou companheiro irremovível de seus tropeços.

O rei Davi, pai do sábio Salomão, há milênios avisou no livro dos Salmos, 42:7, na Bíblia judaica (Antigo Testamento) e na Vulgata, 41:8:

— Abyssus abyssum invocat (O abismo atrai o abismo).

Foi o que se deu e poderá voltar a ocorrer para todo o planeta. Ouçamos as palavras de Jesus — pois os tempos chegaram — no Evangelho segundo Lucas, 21:20 a 24: tomada de Jerusalém. Digo e repito que hoje, em termos proféticos, Israel significa toda a Humanidade:

20 Quando, porém, virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabei que está próxima a sua desolação.

21 Então os que estiverem na Judeia fujam para os montes; os que se encontrarem dentro da cidade retirem-se; e os que estiverem nos campos não entrem nela.

22 Porque estes dias são de vingança, para se cumprir tudo o que está escrito.

23 Ai das que estiverem grávidas e das que amamentarem naquelas horas! Porque haverá grande aflição na terra e ira contra este povo.

24 Cairão ao fio da espada e serão levados cativos para todas as nações; e, até que os tempos dos gentios se completem, Jerusalém será pisada por eles.

Sinais não faltaram e não faltarão

Há sinais por todos os lados, avisando a proximidade dos Tempos, desde aquela época. Mas os ouvidos tapados pelas distrações excessivas permaneceram surdos. Então, o abismo tem tragado povos e gerações.

Só um poder conseguirá barrar a inundação que se aproxima.

Zarur explica:

(...) Ainda não se cumpriu totalmente a Profecia do 2 o capítulo de Daniel. Ela terá seu cumprimento final e total na segunda vinda, ou seja, na Volta Triunfal do Cristo de Deus. (...)

Pela própria Palavra de Deus: nenhum homem, nenhum grupo forte, nenhum povo, nenhuma nação superpotência, comunista ou capitalista, poderá estabelecer Paz na Terra. Isto é obra pessoal e intransferível de Jesus. Somente o Cristo tem poder — no Céu e na Terra — para realizar essa maravilha. E Ele o fará, quando descer do Alto uma pedra, cortada sem auxílio de mãos humanas, para ferir a estátua nos pés de ferro e de barro. Esse acontecimento está próximo; ainda não se concretizou.

Agora, muita atenção: nesta última volta cíclica da História, terá seu cumprimento a Profecia de Jesus através do Profeta Daniel. Brevemente, surgirão no mundo as dez nações simbolizadas nos dez dedos dos pés da estátua. Como não podia deixar de acontecer, elas estarão sob o comando do Anti-Cristo, o que significa — sob o comando supremo do próprio Satanás. Espécie de Roma rediviva, essa aliança décupla do mal estará no último Armagedom do Apocalipse, disposta a derrotar as Forças do Bem. Mas, desta vez, como vimos na palavra dos Profetas, nas chaves anteriores, o Senhor pelejará em defesa das suas almas eleitas. A Humanidade terá de enfrentar os piores horrores de toda a sua vida na Terra. Mas os escolhidos nada sofrerão: estarão sob a proteção de Deus, assinalados para a salvação eterna. E, então, veremos o fim de Roma rediviva, o fim do Anti-Cristo e do Falso Profeta.

E, mais tarde, o fim de Satanás e seus anjos. É a vitória do Bem, é a vitória de Deus, do Cristo e do Espírito da Verdade, a vitória da LBV — novo nome de Jesus!

Diante disso, se não cumprirmos a nossa tarefa pregando o que Jesus determina sem ódios nem desavenças —, estaremos na posição dos surpreendidos na parábola das dez virgens.

Parábola das dez virgens

(Mateus, 25:1 a 13.)

— Então, o Reino dos Céus será semelhante a dez virgens que, tomando as suas lâmpadas, saíram ao encontro do noivo. Cinco dentre elas eram insensatas, e cinco, prudentes. As insensatas, tomando as suas lâmpadas, não levaram azeite consigo, mas as prudentes levaram azeite em suas vasilhas, juntamente com as lâmpadas. Como o noivo tardasse em chegar, todas cochilaram e adormeceram. À meia-noite, porém, ouviu-se um grito: “Eis o noivo! Saí ao seu encontro”. Então, se levantaram todas aquelas virgens e prepararam as suas lâmpadas. Disseram as insensatas às prudentes:

“Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se estão apagando”. Ao que as prudentes responderam: “É possível que não haja o suficiente para nós e para vós; ide antes aos que o vendem e comprai-o para vós”. Enquanto foram comprá-lo, veio o noivo. As que estavam preparadas, entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. Depois vieram as outras virgens e disseram: “Senhor, Senhor, abre-nos a porta”. Mas ele respondeu: “Em verdade vos digo que não vos conheço”. Portanto vigiai, pois não sabeis nem o dia e nem a hora em que o Filho de Deus há de vir.

(Continua)

___________

NOTAS:

*1 Jesus: “Vigiai e orai”, conforme ordenou o Divino Mestre — constante do Evangelho segundo Marcos, 14:38.

*2 Dante Alighieri — Autor de A Divina Comédia, poema épico que narra uma odisseia pelo Inferno, Purgatório e Paraíso. Nasceu em Florença, na Itália, em 1265, e morreu, exilado, em Ravena, em 1321.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".