Terceiro Setor e solidariedade

Fonte: Jornal de Brasília, edição de 16 de julho de 2013, terça-feira.

Recentemente, em Brasília, foram lançadas a 8ª edição de "Fundações, Associações e Entidades de Interesse Social", do dr. José Eduardo Sabo Paes, procurador de Justiça do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios; e a 3ª edição de "Fundações Privadas — Doutrina e Prática", do dr. Airton Grazzioli e do dr. Edson José Rafael, ambos do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP).

José Gonçalo

Dr. Francisco Caputo

Destaquei, da obra do dr. José Eduardo, um trecho que sinaliza a relevância de seu conteúdo. Vem ao encontro do espírito de solidariedade que defendo como estratégia de sobrevivência para povos e nações: "A vida, cada vez mais complexa, faz com que seja necessária a conjugação de esforços de vários indivíduos para a consecução de objetivos comuns. Isso porque o homem não encontra em si forças e recursos suficientes para desenvolver sozinho todas as atividades que almeja e assim suprir todas as suas necessidades e as da comunidade em que se insere".

"Fundações Privadas — Doutrina e Prática" evidencia a mesma cultura: "O Terceiro Setor recebe várias denominações, sendo as mais corriqueiras: Setor Solidário, Setor Social, Setor Coletivo e Setor Independente. A despeito de qualquer denominação usada para esse segmento social, a importância está no seu crescimento, mormente nos países menos desenvolvidos, para propiciar o progresso social das camadas mais carentes da nação. É, por excelência, um setor solidário, já que se une para velar por muitos, de tal forma que o individual dá lugar ao coletivo".

Agradeço aos autores pelas honrosas dedicatórias que me encaminharam em seus livros:

José Gonçalo

Dr. José Eduardo; Enaildo Viana, da LBV; e dr. Airton Grazzioli.

"Ao dr. José de Paiva Netto, digno presidente da LBV, o exemplo de dedicação às causas sociais, ofereço os novos estudos no âmbito do terceiro setor. Com apreço do José Eduardo Sabo Paes".

"Ofereço o presente estudo ao digníssimo presidente da LBV, com profundo apreço e admiração pelo trabalho social desenvolvido em benefício da sociedade civil e especialmente da parcela de pessoas que necessitam de oportunidades. Com o meu fraternal abraço, Airton Grazzioli".

Grato ainda ao dr. Francisco Caputo, ex-presidente da OAB-DF, que, na ocasião, enviou votos de sucesso à LBV, ressaltando seu "alcance extraordinário e com uma gestão modular. O que a LBV propicia à nossa sociedade é invejável e digno de muitos aplausos".

Reprodução

                                                           

RÁDIO E TV ONU

No dia 3/7, com transmissão ao vivo pela Rádio e TV ONU para o mundo, a LBV abriu os pronunciamentos da sociedade civil na Reunião de Alto Nível do Conselho Econômico e Social (Ecosoc), no Escritório da ONU em Genebra, Suíça. Seu representante nas Nações Unidas, Danilo Parmegiani, ao falar do trabalho da Instituição, apresentou a todos a revista "Boa Vontade Desenvolvimento Sustentável". Para acessar o periódico, baixe aplicativo gratuito: www.boavontade.com/revista-digital

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.