Fiat Lux!

Fonte: Livro Crônicas e entrevistas, de 2000.

A manifestação do Amor Divino na criação da Vida planetária

Michelangelo (1475-1564)

Escultura: Moisés

Moisés, ao descrever, de forma alegórica, a criação do Céu, da Terra e de tudo o que ela contém, revela, no Gênesis, 1:3 e 4: “E disse Deus: ‘Faça-se a Luz!’ E houve Luz. E viu Deus que era boa a Luz, e fez a separação entre a Luz e as trevas”.

Ora, não pode haver Luminosidade, ou seja, Vida em plenitude espiritual-humano, onde não existir Amor, em seu mais elevado sentido. 

Toda a criação do Universo deriva da essência do Pai Celeste, definido por Jesus, por intermédio de João Evangelista, justamente como Amor (Primeira Epístola de João, 4:8). 

Persistindo em manter a consciência afastada desse sentimento sublime e dessa estratégia cósmica, o ser humano corre sério risco de pôr-se fora do alcance da sintonia de Deus, o Grande Arquiteto Celeste; portanto, em situação danosa para a sua Alma, razão maior de tantos males que recaem sobre o mundo, porquanto a vivência da Espiritualidade Ecumênica, isto é, do Bem, é motivo de saúde mental e social para o Cidadão Planetário.

Shutterstock

Disso podemos inferir que o glorioso Fiat Lux!, revelado pelo grande chefe e legislador hebreu, poderia, em seu fulgor, ser interpretado com estas palavras: 

Reprodução

Charles Darwin

O Amor Solidário Divino — Faça-se do Amor Fraterno (Fiat Lux!) a Lei Suprema dos cidadãos e dos povos. Eis a urgente providência a antepor-se ao darwinismo social, ampliado pela globalização desprovida de sentimento solidário: a sobrevivência, nua e crua, do mais forte. Des­vio provocado por uma leitura sociológica equivocada da teoria científica evolucionista, com a qual (leitura equivocada) concordava, para nossa tristeza, o controverso pensador inglês, o pioneiro Charles Darwin (1809-1882), que, aliás, a defendia. Ora, o ser humano não pode ser reduzido a um animal irracional.

Vivamos o Amor Solidário Divino, porque ele é o único capaz de afastar da Terra as trevas da miséria e da dor, quando compreendido e exercido em todo o seu poder e eficiência, não somente pela Religião, mas também pela Política, pela Ciência, pela Economia, pela Arte, pelo Esporte, pelos relacionamentos internacionais, pelo trabalhador mais simples e pelo mais projetado homem público. Na verdade, o ser humano, sabendo ou não, procura instintivamente o equilíbrio, que só pode advir do exercício da Fraternidade, a grande esquecida da trilogia da Revolução Francesa (LibertéEgalitéFraternité), tanto que vem no final do lema reformista, quando deveria ocupar sua vanguarda.

Arquivo LBV

Victor Hugo

Paz e Fraternidade — Não foi sem motivo que Victor Hugo declarou: “Sem Fraternidade não pode haver Paz”.

Realmente, caro Hugô, só alcançaremos a Paz, pelas atitudes convincentes de Fraternidade. (...)

Arquivo BV

Marcelo Pimentel

O mundo precisa, mesmo, de Paz e Fraternidade. Por sinal, uma saudação de Francisco de Assis, o Patrono da Legião da Boa Vontade. Não se trata de mera pretensão da nossa parte, como bem compreendeu o ex-ministro Dr. Marcelo Pimentel, ao afirmar: “A LBV não é obra para uma geração, mas para uma civilização”.

Tela: Antonio Carnicero Mancio (1748-1814)

São Francisco de Assis

Na construção de um futuro melhor, inspiremo-nos e ajamos confiantes no Amor Universal, expresso no Mandamento Novo de Jesus, a Lei de Solidariedade Social e Humana, com o que encerro esta modesta reflexão: Disse o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista: “Novo Mandamento vos dou: Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros. Se permanecerdes em mim e as minhas palavras em vós permanecerem, pedi o que quiserdes, e vos será concedido. A glória de meu Pai está em que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu Amor; assim como tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no Seu Amor. Tenho-vos dito estas coisas a fim de que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa. O meu Mandamento é este: que vos ameis como Eu vos tenho amado. Não há maior Amor do que doar a própria Vida pelos seus amigos. E vós sereis meus amigos se fizerdes o que Eu vos mando. E Eu vos mando isto: amai-vos como Eu vos amei. Já não mais vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor. Mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto aprendi com meu Pai vos tenho dado a conhecer. Não fostes vós que me escolhestes; pelo contrário, fui Eu que vos escolhi e vos designei para que vades e deis bons frutos, de modo que o vosso fruto permaneça, a fim de que, tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vos conceda. E isto Eu vos mando: que vos ameis como Eu vos tenho amado. Porquanto, da mesma forma como o Pai me ama, Eu também vos amo. Permanecei no meu Amor”. (Evangelho de Jesus, segundo João, 13:34 e 35; 15: 7, 8, 10 a 17 e 9.)

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.