O bom uso do tempo

Fonte: Jornal de Brasília, edição de 30 de dezembro de 2014, terça-feira. | Atualizado em novembro de 2020.

O ambiente fraterno e acolhedor que se estabelece no fim do ano, reunindo as famílias, os amigos, as comunidades, enfim, os corações, leva todos a projetar sempre um novo ano melhor. É preciso, porém, que mantenhamos a veemência inicial, trabalhando, incansavelmente, sem perder nenhum ensejo de atuação em prol do desenvolvimento espiritual, humano e social de nosso país, a partir de nós mesmos. Assim, o novo ano que se avizinha trará maiores oportunidades de sucesso.

Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade (2014) — 11ª edição. Adquira!

Nos meus bate-papos com os jovens da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo e no livro Jesus, a Dor e a origem de Sua Autoridade — O Poder do Cristo em nós (2014), alerto-os para o fato de que o tempo vai passar de qualquer jeito. Por isso, façamos bom uso dele na vivência diária do Amor Solidário, que nos coloca sob o amparo de Deus Todo-Poderoso, fonte da verdadeira solução para os desafios particulares e coletivos, se houver decisivamente em nós a indispensável humildade para senti-Lo e compreendê-Lo, sem radicalismos.

Sempre haverá saída para os problemas, por piores que sejam, desde que o ser humano realmente respeite o ser humano. Ele não vai apenas pensar com o cérebro, usará também o coração. À vista disso, é imprescindível educarmos nossos sentimentos no Bem, pois, quando a criatura tem seu interior poluído, tudo à sua volta é contaminado.

Mente, coração, generosidade

Falar em mente e coração dá-se pela necessidade de evidenciarmos um simbolismo essencial à clareza do que lhes apresento, de modo que estejam nitidamente expressas duas das condições mais importantes da Alma: pensar e sentir, ou, na ordem moral mais perfeita, sentir e pensar. Eu poderia expor que, sendo a mente o contato principal do Espírito com o corpo, nela estaria o centro do pensar e do sentir (amar). Contudo, procuro uma forma mais simples de me comunicar com vocês, porque aqui estão pessoas de mais idade e temos crianças também.

Ora, o grande objetivo da Autoridade do Poder de Jesus, na Política de Deus, é que todos se façam melhores. Sob a ótica da Legislação além da legislação — portanto, a que tem origem em Deus e em Suas Leis Eternas —, somos levados a indagar: se não houver igualmente esse sentido de Solidariedade, de Generosidade, de Altruísmo, de Confiança, de Disciplina e de Justiça, na efetiva transformação de um indivíduo, para que ele se torne ético, quem cumprirá as leis terrenas?

Gustavo Henrique

Emoção marca presença no encontro dos Seareiros de Boa Vontade, durante a programação do Fórum Internacional da Juventude Legionária. O evento homenageia o trabalho voluntário Apostolar das famílias legionárias.

Em meu livro Reflexões e Pensamentos — Dialética da Boa Vontade (1987), registrei:

Quantas leis sejam feitas, tantas maneiras o ser humano encontrará de fraudá-las, enquanto não entender que temos solidários compromissos uns para com os outros, sem os quais não pode existir genuína vida em sociedade. Isso é exercer a cidadania, que começa no Espírito. É fortalecer as comunidades. Não há departamentos estanques no mundo, principalmente agora, na era da rapidez das comunicações e da constante ameaça nuclear, entre outras, talvez piores.

É Urgente Reeducar! (2010) – Autor nacional mais vendido da Bienal Internacional do Livro de São Paulo, Brasil, em 2010. Adquira!

Não basta desenvolver o intelecto, como muitos pensam relativamente à Educação. Por isso, criei a Pedagogia do Afeto, para iluminar os corações dos pequeninos, porquanto uma civilização exige que haja um refinamento dos costumes. De que maneira realizá-lo, senão cultivando o que de bom existe no íntimo de cada criatura? É preciso desarmar os corações desde a infância, consoante explico em É Urgente Reeducar! (2000). Nele digo que a estabilidade do mundo começa no coração da criança.

Leilla Tonin

Manaus/AM.

Tal ponto de vista — o da necessidade de desarmar os corações humanos desde os pequeninos — não nos impede de prepará-los para sobreviver aos piores desafios da vida.

Torna-se mais que básico que nos empenhemos no estudo das Leis Divinas. Como?! Investigando as Sagradas Escrituras e purificando nosso interior com a Bondade e a Justiça de Deus.

Pensem nisso. Governar é educar o sentimento para o Bem.

Arquivo BV

Alziro Zarur

Alziro Zarur (1914-1979), saudoso fundador da Legião da Boa Vontade, ressaltava que: “Governar é ensinar cada um a governar a si mesmo”.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.