Mãe Canô, saudade!

Fonte: Jornal de Brasília, edição de 1º de janeiro de 2013, terça-feira.

Minha estimadíssima amiga Mãe Canô nasceu para a Vida Eterna no Natal de Jesus, 25 de dezembro de 2012. Que merecimento!

Pedro de Paiva

Registro Histórico: visita cordial do dirigente da LBV à querida amiga, que carinhosamente Paiva Netto chama de Mãe Canô, em Santo Amaro da Purificação/BA, em 1988.

Mãe Canô! Comecei a chamá-la assim em virtude da bondade com que me recebeu em seu lar. Fiquei comovido com sua feição maternal. Quando completou 105 anos, em 16 de setembro, tive o ensejo de destacar que a matriarca dos Vellosos significa família unida, feliz. E é justamente o que muitos no mundo precisam aprender: quanto bem faz a boa convivência familiar.

Para felicidade de todos nós, graças a Deus!, a morte não existe. Agora, a filha ilustre de Santo Amaro da Purificação, na Bahia, mais viva do que nunca, abrilhanta a família dos Céus do Brasil.

Aos seus entes queridos, a quem Mãe Canô tanto amava, pertence, nessa hora de grande saudade, a alma solidária dos Legionários da LBV.

BEM-VINDO, 2013!
A ocasião da passagem do Ano-Novo não é a mesma para todas as comunidades. Há diferentes datas, cada uma com as suas respeitáveis tradições. Um ponto em comum, contudo, se faz presente: o saudável espírito de renovação em busca de períodos mais felizes.

Na "Antologia da Boa Vontade" (1955), fui buscar, de uma página espiritual de Júlio Diniz, "Ano Novo! Ano Bom!", breve trecho que defende o gosto humano de estabelecer esses regulares tempos de recomeço: "Se a própria natureza escolhe uma hora propícia a cada ato, sem a qual a planta não floresce, a chuva não cai, o sol não se mostra, a criatura não nasce, a ave não canta, a luz não dissipa a treva, a virgem não ama, a flor não desabrocha, o fruto não amadurece e até o progresso não chega; por que se há de querer impedir a sociedade de convencionar paragens na sua marcha extenuante, para que os seus caminheiros desejem, entre si, bons dias e bons anos, numa doce aspiração de fraternidade; ou para recordar os companheiros queridos que foram ficando pela aspereza do caminho?".

Primeiro de janeiro, que marca o início do ano no Ocidente, é também o Dia da Confraternização Universal e da Paz. A data, reconhecida pelas Nações Unidas desde 1981, é um convite especial à Humanidade para que se entenda. Os nossos votos são de que ela conscientemente aceite. Assim, vai promovendo a abertura de um ciclo de verdadeira convivência fraterna entre as criaturas.

Em "Jesus, o Profeta Divino" (2011), escrevi que apesar da gravidade comum a todas as épocas de profunda transformação, sempre surge um mundo novo, trazendo outras perspectivas para a vida dos povos. Há, todavia, este ponto a ser reiterado nos dias que vivemos: não nos é permitido esquecer que Jesus, o Vidente Divino, se refere a uma Grande Tribulação, jamais vista pelos olhos terrestres.

Dificilmente teremos, por ora, o fim do planeta como muitos e muitos costumam acreditar. Entretanto, poderemos assistir, na condição de encarnados ou desencarnados, ao termo de uma era cheia de cobiça, ódios e preconceitos. Então, após tudo isso, custe o tempo e as dores que custarem, realmente virá um "novo Céu e uma nova Terra" (Apocalipse, 21:1), anúncio comprovante de que a existência humana continuará.

Portanto, seja bem-vindo, 2013! E que venha com muita luz! muita luz! muita luz!

 

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.