Pedagogia de Deus

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro “Jesus e a Cidadania do Espírito”, de outubro de 2019 | Atualizado em julho de 2020.

"Eu te instruirei e te ensinarei o caminho que deves seguir; e te guiarei com os meus olhos."

(Livro dos Salmos, 32:8)

A Educação existe para libertar os povos. Mas, com a indispensável Espiritualidade Ecumênica, os sublima. Eis a Pedagogia de Deus, que prepara o indivíduo para viver a Cidadania Espiritual, Altruística, Ecumênica e Planetária, alicerçada no exercício pleno da Solidariedade, da Fraternidade e da Generosidade.

Reprodução BV

Ulysses Guimarães

Ulysses Guimarães (1916-1992), eminente político brasileiro, traduz a necessidade do ensino ao declarar, em seu discurso proferido a 3 de fevereiro de 1987, após ter sido eleito presidente da Assembleia Nacional Constituinte: “‘Conhecer é ser livre’, dizia um dos grandes apóstolos da América, José Martí. (...) Não há um só exemplo de nação forte sem bom sistema de educação”.

Vivian R. Ferreira

   

Arquivo BV

Alziro Zarur    

Quanto à Pedagogia de Deus, ela foi antevista por Alziro Zarur (1914-1979) nos anos 1950 e propõe a educação e a reeducação do Espírito Eterno do ser humano firmadas em “Jesus, o Grande Educador dos Povos”, na definição do criador da LBV. Zarur também atestou: “O Novo Mandamento de Jesus — ‘Amai-vos como Eu vos amei’ — é a Essência de Deus”.

Tela: James Tissot (1836-1902)

Detalhe da obra: Jesus senta-se à beira-mar e prega.

Justamente por isso, afirmo, o Mandamento Novo do Cristo é a Essência da Pedagogia de Deus. Não há nada mais ilustrativo que o Amor Fraterno, isto é, a vivência do espírito da Caridade, pois este sim vence qualquer empecilho e barreira, por maiores que sejam. Zarur ensinava que “Deus criou o ser humano de tal forma que ele só pode ser feliz praticando o Bem”.

O Cristo, que é ecumênico por excelência, veio pessoalmente há dois mil anos exemplificar isso. E exercitar a Ordem Suprema de Jesus implica a capacidade de dedicar-se ao próximo, mesmo àqueles que possam considerar-se nossos inimigos. Assim, aprendemos, sem insidiosa conivência com o erro, a conviver e, amando — a Verdade, a Fraternidade e a Justiça —, a edificar a Paz.

Não foi sem razão que o Sublime Pedagogo nos recordou esta esperançosa profecia anotada por Isaías: “Está escrito nos Profetas: E serão todos ensinados por Deus(54:13). “Todo aquele que do Pai tem ouvido e aprendido, esse vem a mim” (Evangelho, segundo João, 6:45).

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.