A Casa de todos nós

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro "Jesus, o Profeta Divino", de 2011.

John Kennedy

Em Jesus, o Profeta Divino, que lancei durante a 15a Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, em 2011, no capítulo “Planeta Terra: a casa de todos”, transcrevo trecho do discurso do presidente dos Estados Unidos John Fitzgerald Kennedy (1917-1963), proferido em 10 de junho de 1963, em Washington, D.C., muito propício à reflexão de todos: “(...) Não sejamos, pois, cegos quanto a nossas diferenças, mas dirijamos também a atenção para nossos interesses comuns e para os meios pelos quais as diferenças possam ser resolvidas. Se não pudermos, agora, pôr paradeiro a elas, poderemos, pelo menos, auxiliar a proporcionar segurança ao mundo — não obstante nossas dificuldades —, pois, em última análise, nosso elo comum e básico está em todos nós habitarmos este planeta. Respiramos todos o mesmo ar. Todos prezamos pelo futuro de nossos filhos. E todos somos mortais (...)”.

Pari passu a esse salutar convite de Kennedy, é primordial, por intermédio da prece, da meditação, estabelecer uma sintonia elevada com os poderes superiores, sempre aptos a nos intuir a superar os obstáculos que a vida impõe.

Como vencer nas contrariedades

Ainda na obra Jesus, o Profeta Divino, afirmo que quem está com o Divino Mestre nada pode temer, mesmo nos piores momentos da existência. O Cristo nos fortalece em Sua Boa Nova consoante João, 14:18, e Mateus, 28:20, dizendo: “Eu não vos deixarei órfãos e estarei convosco, todos os dias, até ao fim do mundo”. Para esses seguidores fiéis, o oportuno ensinamento do Apóstolo Pedro (Primeira Epístola, 2:15) sobre a origem da verdadeira força e do genuíno poder: “(...) essa é a vontade do Pai Celestial — que, praticando o Bem, façais emudecer a ignorância dos insensatos”. Desta forma comportou-se Jesus perante os opositores: com Seu modo firme de agir, dando incessante testificação do Poder Divino, não deixava de fazer o Bem, ao mesmo tempo em que o pregava pelos caminhos. Eis, portanto, Quem é e por que é — “a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos, e o Soberano dos reis da Terra, que nos ama e pelo Seu sangue (os exemplos) nos libertou dos nossos pecados” (Apocalipse, 1:5), mostrando-nos como vencer neste mundo de contrariedades: perseverar Nele e no Pai até ao fim, levando o benefício celeste a todas as criaturas, porquanto é com esse conhecimento que, antes de tudo, poderá ser concretizado o definitivo aperfeiçoamento da sociedade, posto que, como há muito lhes tenho falado, a reforma do social vem pelo Espiritual.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.