Abaixo a intolerância

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída do livro “Jesus e a Cidadania do Espírito”, de outubro de 2019. | Atualizado em julho de 2020.

Quando falamos em Ecumenismo, queremos dizer universalismo do Bem, portanto, Fraternidade acima de todos os ódios lacerantes.

shutterstock
Reprodução BV

Swami Vivekananda

Swami Vivekananda (1863-1902), monge, iogue e filósofo hindu, a respeito do Princípio da Tolerância, declarou, no Parlamento das Religiões, realizado em Chicago, EUA, em 1893: “Santidade, pureza e caridade não são posses exclusivas de nenhuma igreja no mundo; todo sistema produziu homens e mulheres de caráter elevado. Em face dessa evidência, se alguém sonha com a sobrevivência exclusiva da sua própria fé e a ruína das outras, tenho pena dele do fundo de minha alma. E aponto que, em breve, sobre a bandeira de toda religião será escrito, apesar da resistência: (...) ‘Ajude e não Lute’, ‘Assimilação e não Destruição’, ‘Harmonia e Paz, e não Contenda’”.

Como várias vezes já enfatizei em minhas pregações, faladas e escritas, o milagre que Deus espera dos seres espirituais e humanos é que aprendam a amar como Jesus nos amou. Essa afirmativa provoca uma pergunta: E como o Divino Mestre nos amou e tem amado? Ao que respondo: com o Novo Mandamento de Jesus, o Cristo Ecumênico, o Excelso Estadista — “Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos” (Evangelho, segundo João, 13:34 e 35).

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.