Felicidade, só com Fé e Boas Obras.

Fonte: Jornal Folha de S.Paulo, edição de 25 de maio de 1986, domingo.
Arquivo BV

Alziro Zarur   

Não há felicidade, a não ser pelas boas realizações em favor do semelhante, o que naturalmente resulta, pela Misericórdia Divina, em benefício do próprio benfeitor. Vivemos em sociedade. Não há departamentos estanques. Qualquer ser medianamente inteligente há de convir que isso é uma verdade. Por exemplo: muitas nações não estão diretamente envolvidas nos conflitos armados do mundo, mas todas sofrem a opressão do medo ou da miséria, pela violência dos armamentos novos ou pelo desvio maciço de verba para a indústria da morte, em prejuízo da instrução, educação, alimentação e saúde de muitos povos. Como ensinava o saudoso Proclamador da Religião de Deus, do Cristo e do Espírito Santo, Alziro Zarur (1914-1979): “Deus criou o ser humano de tal forma que ele só pode ser feliz praticando o Bem”. Não há outro caminho! O resto, que é ditado pelo egoísmo feroz, resulta na frustração que leva ao desespero que anda infernizando o mundo. É a lei da selva vigorando, felizmente que por pouco tempo, porque Jesus está chegando! E, com Ele, vem o fim do reino da maldade, conforme Sua promessa.

shutterstock

Foi Jesus quem disse que o grande dia de Sua Volta Triunfal será quando menos se esperar, porquanto as multidões andam dispersas pelas convocações da existência humana e/ou mundana que, mais tarde, se revelarão dolorosíssimas aos que desertam Dele e de Sua Doutrina: “Porquanto, assim como nos dias anteriores ao dilúvio, comiam e bebiam, casavam e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, senão quando veio o dilúvio e os levou a todos assim será também a vinda do Filho de Deus” (Evangelho, segundo Mateus, 24:38 e 39). 

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".