Caridade, primícia de Deus

Fonte: Reflexão de Boa Vontade extraída da revista JESUS ESTÁ CHEGANDO!, edição 125, de junho de 2016.
Reprodução BV

Cairbar Schutel

Estudioso do Apocalipse, o escritor e pregador espírita Cairbar Schutel (1868-1938), no livro Interpretação Sintética do Apocalipse*, referindo-se aos “cento e quarenta e quatro mil selados que foram comprados da Terra” (Apocalipse, 14:3) — que sabemos ser o número-qualidade de que nos falava Alziro Zarur (1914-1979) —, explica que João Evangelista, “empregando a expressão ‘foram comprados da Terra’, quis significar que os cento e quarenta e quatro mil se devem fazer reconhecer pelo seu desprendimento das coisas do mundo, pela sua moral, pela sua humildade, finalmente, pela sua caridade, virtude que é a primícia para Deus”. (O destaque é meu.)

shutterstock
Arquivo BV

Alziro Zarur   

Sem o espírito de Caridade, que é Deus, pois Ele é Amor, ninguém retamente decifrará de forma justa o Recado Celeste, dirigido aos seres da Terra e aos Espíritos do Céu da Terra, pelo Apocalipse.

Como já citei na pregação da série radiofônica “O Apocalipse de Jesus para os Simples de Coração”, não podemos decifrar um Livro Sagrado de um Deus que é Amor, motivados por ódio ou inveja. Seria cavar a própria sepultura pela Eternidade.

Arquivo BV

Confúcio

Oportuna se faz esta reflexão que nos apresenta o sábio chinês Confúcio (551-479 a.C.), em sua obra Os Analectos (XII:10): “Faça o seu princípio norteador dar o melhor de si pelos outros e ser coerente com aquilo que diz (...)”.

Procuremos então, humilde e diligentemente, trilhar a vereda do Progresso Espiritual. Ela nos foi aberta por Jesus, o Filho Primogênito do Pai Celeste, para que nos tornemos também Primícias Divinas.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem “o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno. Em suma, a constante matemática que harmoniza a equação da existência espiritual, moral, mental e humana. Ora, sem esse saber de que existimos em dois planos, portanto não unicamente no físico, fica difícil alcançarmos a Sociedade realmente Solidária Altruística Ecumênica, porque continuaremos a ignorar que o conhecimento da Espiritualidade Superior eleva o caráter das criaturas e, por conseguinte, o direciona à construção da Cidadania Planetária”.