As Sete Bem-Aventuranças do Apocalipse

Fonte: Circular dirigida aos seres espirituais e humanos de Boa Vontade, redigida em 8 de julho de 1989, precedendo a inauguração do Templo da Boa Vontade, em Brasília/DF.

I- Não somente o Evangelho de Jesus registra Bem-Aventuranças, como as do Sermão da Montanha. Os estudiosos do Apocalipse também as encontram nas suas páginas iniciáticas e revelativas aos que têm “olhos de ver e ouvidos de ouvir”:

Primeira

Bem-aventurados aqueles que leem e aqueles que ouvem as palavras da profecia deste Livro e guardam as coisas nele escritas, pois o tempo está próximo (1:3).

Vivian R. Ferreira

Segunda

Então, ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que, desde agora, morrem no Senhor. Doravante, diz o Espírito, que descansem das suas fadigas, pois as suas obras os acompanham (14:13).

Terceira

Eis que venho como vem o ladrão. Bem-aventurado aquele que vigia e guarda as suas vestiduras, para não andar nu, e não se veja a sua vergonha (16:15).

Quarta

Então, me falou o Anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E acrescentou: São estas as verdadeiras palavras de Deus (19:9).

Quinta

Bem-aventurados e santos são aqueles que têm parte na primeira ressurreição. Sobre esses a segunda morte não tem autoridade; pelo contrário, serão sacerdotes de Deus e de Cristo Jesus, e reinarão com Ele os mil anos (20:6).

Tela: James Tissot (1836-1902)

Detalhe da obra: Jesus senta-se à beira-mar e prega.

II- Além de nos apresentar sérias advertências, muitos outros confortos o Apocalipse nos oferece. Trata-se de um livro sagrado ainda tão malcompreendido por alguns, que só desejam ver nele pavores e sofrimentos. Para esses, o alertamento de Jesus, no Seu Evangelho, segundo Mateus, 6:22 e 23:

“22 São os olhos a lâmpada do corpo. Se teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso;

“23 se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Se, portanto, a luz que em ti existe são trevas, que grandes trevas serão!”

III - Sejam, pois, os nossos olhos Luz, para que possamos continuar descobrindo as belezas espirituais do Livro da Revelação Divina.

Sexta

Eis que venho sem demora. Bem-aventurado aquele que guarda as palavras da profecia deste Livro (22:7).

Sétima

Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro para que lhes assista o direito à Árvore da Vida Eterna e possam entrar na cidade pelas portas (22:14).

IV - Jesus, no Evangelho, segundo Lucas, 11:28, diz: Bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam.

V - O Livro das Profecias Finais contém diversas fraternas convocações à Perseverança, à Fé, às Boas Obras, à Oração, à Vigilância e à Obediência à mais elevada Ética.

Perseverança e Fé

Conheço as tuas obras, assim o teu labor como a tua perseverança, e que não podes suportar homens maus, e que puseste à prova os que a si mesmos se declaram apóstolos e não são, e os achaste mentirosos (2:2);

e tens perseverança, e suportaste provas por causa do meu nome, e não te deixaste esmorecer (2:3).

Aqui está a perseverança dos santos, os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus (14:12).

Boas Obras

E eis que venho sem demora, e comigo está o galardão que tenho para retribuir a cada um segundo as suas obras (22:12).

Oração

Veio outro Anjo e ficou de pé junto ao altar, com um incensário de ouro, e foi-lhe dado muito incenso para oferecê-lo com as orações de todos os Santos sobre o altar de ouro que se acha diante do trono (8:3).

e, quando tomou o livro, os quatro seres viventes e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo cada um deles uma harpa e taças de ouro cheias de incenso, que são as orações dos Santos (5:8).

shutterstock

Vigilância

Sê vigilante, e consolida o resto que estava para morrer, porque não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus (3:2).

Obediência à Ética Divina

Lembra-te, pois, de onde caíste, arrepende-te, e volta à prática das primeiras obras; se não, virei a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas (2:5).

Aqueles a quem amo, repreendo e castigo. Sê, pois, zeloso, e arrepende-te (3:19).

VI - O Apocalipse é também um livro profético, colocando-se num patamar além do alcançado pelos profetas do Velho Testamento: situa-se adiante deles, em plano mais avançado, porque cuida clara e abertamente da Volta Triunfal do Cristo de Deus: Eis que Jesus vem com as nuvens, e todos os olhos O contemplarão, até mesmo aqueles que O traspassaram (Apocalipse de Jesus, 1:7).

VII - Não se trata de um livro firmado sobre lucubrações humanas, mas em cima de uma Revelação de Deus-Pai, por meio do testemunho do Cristo (Filho), que se vale da intermediação de um Anjo, que, sabemos, faz parte do Espírito Santo, isto é, daquele esplêndido coletivo de seres evoluídos, que servem Jesus no Seu Governo do planeta Terra, que Ele criou, como já estudamos, por ordem do Pai Supremo.

VIII – Concluímos, então, o valor extraordinário que têm, para toda a Humanidade, a leitura e o entendimento das exortações ao testemunho com que devemos honrar a Jesus e a compreensão das profecias, que não são de homens confusos, por isso armadores de desordens, mas de Deus, que não zomba das Almas, que tirou o Universo do — como podemos dizer — Nada, que é o Tudo, pois o Nada não existe: com Deus, não se deve brincar.

IX - O valor transcendental do Apocalipse, para os nossos Espíritos, é tamanho que João, também criatura do Pai Celestial, caiu ao solo como morto, ao ver, no meio dos candeeiros, um semelhante ao Filho de Deus.

X - Foi uma visão que o Evangelista-Profeta teve do Reino Divino, de onde nos proveio o Apocalipse, com seus relatos do Planejamento Celeste para a elevação do Espírito Eterno do ser humano.

Tela: John Martin (1789-1854)

Título da obra: A cidade celestial e o rio da felicidade.

XI - Não se pode, pois, desprezar o Apocalipse nem se queixar, como já vimos, de que seja um texto indecifrável, pois Deus abençoa aqueles que leem e entendem o seu conteúdo (Apocalipse, 1:3).

XII - Desejo, neste ponto, ante a riqueza e a salvação que Jesus nos quer proporcionar com o Apocalipse, alertar que não devemos cair no equívoco dos cristãos da Igreja em Pérgamo, que, apesar de testemunharem o Sagrado Nome do Divino Mestre e de não terem abdicado da sua Fé, a despeito de perseguição iminente, permitiram que a precária moral do mundanismo os perturbasse.

Carta de Jesus à Igreja em Pérgamo

Apocalipse de Jesus, 2:12 a 17:

“12 Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve:

Estas coisas diz Aquele que tem a espada afiada de dois gumes:

“13 Conheço o lugar em que habitas, onde está o trono de Satanás, e que conservas o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Ântipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.

“14 Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel, para que comessem coisas sacrificadas aos ídolos e praticassem a prostituição.

“15 Outrossim, tens aí também os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas.

“16 Portanto, arrepende-te; porque, se não, virei sem demora contra ti e pelejarei contra eles com a espada da minha boca.

“17 Quem tem ouvidos ouça o que o Espírito diz às igrejas do Senhor. Ao vencedor, Eu darei do maná escondido, bem como uma pedrinha branca, e sobre ela escrito um nome novo que ninguém conhece, exceto aquele que o recebe”.

XIII - Atenção, minha gente! Os Tempos chegaram!

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".