Estrutura de um mundo novo

Fonte: Jornal A Tribuna Regional, de Santo Ângelo/RS, edição de 15 e 16 de setembro de 2012, terça-feira | Atualizado em agosto de 2017.

Em Sete de Setembro, Dia da Pátria, comemoramos mais um aniversário da Independência do Brasil. Logo nos vem à memória a famosa tela na concepção do pintor paraibano Pedro Américo (1843-1905) na qual Dom Pedro I (1798-1834) ergue o braço e brada: “Independência ou morte!” Antes, teria clamado: “Laços fora!”, arrancando-os da vestimenta, porquanto portavam as cores portuguesas, no que foi entusiasticamente seguido pelos seus soldados. Daí em diante, começamos a caminhar por uma estrada nova. Mas será que verdadeiramente conquistamos a independência tão almejada pelos patriotas daquele tempo?

Tela: Pedro Américo (1843-1905)

Quadro "Independência ou Morte", pintado, em 1888, por Pedro Américo de Figueiredo e Mello. A obra encontra-se no Museu Paulista, em São Paulo, SP.

Jesus, o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista, no Seu Evangelho, segundo João (a Boa Nova da Iniciação Espiritual), 15:5, diz: “Eu sou a videira verdadeira, vós sois os ramos. Quem permanece em mim, e Eu, nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podereis fazer”.

Certa ocasião, inspirado nessa advertência do Mestre, afirmamos que — o Novo Mandamento de Jesus pode ser compreendido como estrutura espiritual de um mundo novo, a levar sua excelente contribuição ao seio da Ciência, da Filosofia, da Arte, do Esporte, da Economia, da Religião, da Política. Ele nos orienta a direcionar nossas ações, na Seara do Amor Divino, visando primordialmente ao Espírito Eterno do ser humano.

Tela: Mathieu Ignace Van Brée (1773-1839)

Título da obra: Cristo cura um doente.

Estamos aqui meditando acerca da ordem suprema do Provedor Celeste, e, possivelmente, alguns dos que nos honram com a sua leitura a desconheçam. Ei-la, conforme se encontra no Evangelho, segundo João, 13:34 e 35, e 15:7, 8, 10 a 17 e 9:

Novo Mandamento vos dou: amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros. Se permanecerdes em mim e as minhas palavras em vós permanecerem, pedi o que quiserdes, e vos será concedido. A glória de meu Pai está em que deis muito fruto; e assim sereis meus discípulos. Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu Amor; assim como tenho guardado os mandamentos de meu Pai e permaneço no Seu Amor. Tenho-vos dito estas coisas a fim de que a minha alegria esteja em vós e a vossa alegria seja completa. O meu Mandamento é este: que vos ameis como Eu vos tenho amado. Não há maior Amor do que doar a própria vida pelos seus amigos. E vós sereis meus amigos se fizerdes o que Eu vos mando. E Eu vos mando isto: amai-vos como Eu vos amei. Já não mais vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto aprendi com meu Pai vos tenho dado a conhecer. Não fostes vós que me escolhestes; pelo contrário, fui Eu que vos escolhi e vos designei para que vades e deis bons frutos, de modo que o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome Ele vos conceda. E isto Eu vos mando: que vos ameis como Eu vos tenho amado. Porquanto, da mesma forma como o Pai me ama, Eu também vos amo. Permanecei no meu Amor.

É o Amor Fraterno elevado à enésima potência, ao infinito, capaz de realizar os mais extraordinários portentos, iluminando a própria verdade e a justiça. Por isso, a compreensão dessa lei sublime traz uma estrutura nova para a Humanidade. Pode demorar o tempo que for preciso, mas, com certeza, ocorrerá.

José de Paiva Netto, escritor, jornalista, radialista, compositor e poeta. É diretor-presidente da Legião da Boa Vontade (LBV). Membro efetivo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e da Associação Brasileira de Imprensa Internacional (ABI-Inter), é filiado à Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), à International Federation of Journalists (IFJ), ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Escritores do Rio de Janeiro, ao Sindicato dos Radialistas do Rio de Janeiro e à União Brasileira de Compositores (UBC). Integra também a Academia de Letras do Brasil Central. É autor de referência internacional na defesa dos direitos humanos e na conceituação da causa da Cidadania e da Espiritualidade Ecumênicas, que, segundo ele, constituem "o berço dos mais generosos valores que nascem da Alma, a morada das emoções e do raciocínio iluminado pela intuição, a ambiência que abrange tudo o que transcende ao campo comum da matéria e provém da sensibilidade humana sublimada, a exemplo da Verdade, da Justiça, da Misericórdia, da Ética, da Honestidade, da Generosidade, do Amor Fraterno".

Newsletter